31 de janeiro de 2009

O que você faria diferente no próximo parto?

por Rosana Oshiro

Escolher entre o parto normal ou a cesarea é hoje uma opção para a maioria das mulheres de classe média em qualquer lugar do mundo, inclusive aqui no Japão, infelizmente.

Existem médicos inclusive que já fazem cesareas totalmente desnecessárias nas brasileiras por comodismo e conveniencia.

O fato é que não é só o tipo de parto que faz a gente se tornar mãe, mas existem mais uma série de fatores/escolhas que fazem muuuuita diferença no nascimento de um bebê.

Para quem não sabe, eu passei por duas cesareas totalmente desnecessárias:
- a primeira por despreparo, ansiedade e medo por ter passado das 41 semanas de gestação
- a segunda por não ser respeitada, nem apoiada ou estimulada a continuar o trabalho de parto que já havia chegado a 8cm dentro de um hospital.

Minha segunda cesarea foi um difusor de águas para mim, eu tinha toda a informação do mundo e sabia que era totalmente possivel o parto normal, mas não aguentei a pressão externa da familia e dos amigos para ir logo para o hospital, aceitei tudo o que eu não queria e acabei sofrendo intervenções desnecessárias e no final das contas implorando a cesarea.

O passado não da para mudar, mas o futuro sim. Depois de passar por duas experiencias de parto "frias", eu resolvi ser a protagonista da minha estória e do meu parto porque aconteceram várias coisas que ficaram entaladas na minha garganta por um bom tempo. Elas foram:
= ( meus filhos nasceram e eu estava dopada e amarrada, não pude sequer beija-los
= (( meus filhos nasceram e foram aspirados, receberam colirio de nitrato de prata (que fez seus olhinhos arderem), foram esfregados sem dó e logo receberam uma injecção de vitamina K como boas vindas
= ((( ficaram com pessoas desconhecidas, foram chorando ficar num berço de plastico aquecido, quando poderiam estar no meu colo quente e amoroso
= (((( seu primeiro alimento foi agua glicosada, quando poderiam ter sido amamentados pelos meus seios cheios do melhor alimento para eles, o colostro
= (((( ficamos, eles e eu, mais de 12 horas separados e desconectados sofrendo desnecessariamente

Fora isso, tive dor por vários dias por causa do corte da cesarea, alergia da anestesia, utilizei sonda, tive que tomar antibioticos por varios dias, tive problemas no inicio da amamentação e uma profunda depressão pós-parto.

Sim, tudo isso poderia ser diferente e eu fui a luta, eu sabia que não me bastava confiar em médicos e hospitais, mas era preciso acima de tudo acreditar em mim e QUERER DE VERDADE ser protagonista da minha história e do meu parto.

Eu tive uma terceira gestação acompanhada por um médico e uma parteira e optei por um parto domiciliar que ocorreu com 42 semanas de gestação. Um parto tranquilo, onde fui apoiada, encorajada, abraçada, animada e vivi o parto intensamente e, poderia até dizer, prazeirosamente.

Eu pude curtir meu filho logo após o nascimento, pude beijá-lo, abraça-lo, amamenta-lo e me sentir mulher e perfeitamente capaz de parir.
Eu pude comer durante o TP e logo após ele, pude chorar e gritar de emoção sem ser advertida ou reprimida.
Eu pude fazer o que eu queria, eu me conduzia, ERA A PROTAGONISTA DA MINHA HISTORIA!

Depois disso tudo, de toda essa alegria e emoção de parir, o que eu fiz diferente no próximo parto? NADA!

Tive outro parto em casa (dessa vez unassisted porque não consegui parteira) e foi novamente alegria, prazer e emoção!

Além disso tudo, pude perceber a diferença de ter um filho "arrancado" brutalmente de dentro de mim e outro nascido tranquilamente no SEU TEMPO. Hoje vejo a diferença que isso causou no comportamento e confiança deles a cada dia.

O que eu quero dizer com tudo isso?
Quero dizer que toda mulher é capaz de se empoderar e correr atrás, não só do seu parto, mas do seu direito de parir em paz, de não ter que passar por intervenções desnecessárias, (nem seu bebê) nem de pressões e repressões, nem que para isso ela tenha que parir fora do hospital.

Eu defendo o parto domiciliar, sou totalmente a favor!
Cada mulher deveria ter essa opção para o parto de forma consciente, porque que é seguro, já está mais do que provado que é!

Eu escolhi ser radical com minhas escolhas, porque para mim foi melhor assim!

Mas e você, já teve um parto? Ficou satisfeita e feliz depois dele? Porque? O que você faria diferente no proximo parto?

Continue lendo...

Sorteio dos panettones

por Rosana Oshiro

Você se tornou um seguidor do blog Materna Japão?
Colocou nosso selo no seu blog?
Indicou o blog para uma amiga?
Comentou mais do que a " Dona Fifi"? huahuahuahua
Ahhhhhh! Então seu nome pode estar aqui...


Não alcançamos a meta de 100 seguidores... (;_;)

Mas chegamos nos 22...\(*O*)/

Temos novas leitoras comentaristas!!! \(*O*)/

Fizemos várias novas amizades!!! \(*O*)/

Com certeza você que está lendo faz parte do nosso grupo de maternas, que tal fazer parte da nossa lista de mães que apoiam mães no Japão através do grupo do Yahoo!?

Ficariamos ainda mais alegres com sua participação por lá, ok?

Vamos ao sorteio dos 5 mini panettones para os seguidores então, que são:

1- Vanda Fujimoto
2- Fanynha
3- Marisa Tiyoko
4- Rosana Shiota
5- Positividade yeah!!!
6- Lulu
7- Cat
8- Meu cantinho especial
9- Andrea
10- Denise
11- Samy
12- Barbara Nakashima
13- Pitty
14- Marcia
15- Simone
16- Perola
17- Adrielly
18- Salkenzo
19- Aika
20- Thais
21- ╰☆╮F®ÅNciєℓyღ εїз*
22- Gabriel Dread

Os numeros sorteados no Excel através da função ALEATORIO foram os seguintes (imagem copiada do programa):


Portanto, queridas: 3- Marisa Tiyoko, 9- Andrea, 11- Samy, 17- Adrielly e 19- Aika são as ganhadoras do mini-panettone.

E a Top comentarista do blog com 23 Comentarios é... Andrea!!!
Seguida da Fany com 21 comentarios, que tambem vai ganhar um prêmio de consolação...=D

Agradecemos o carinho de todos e continuem participando que logo tem mais promoções!

beijo grande
Grupo Materna Japão

PS: Não recebemos indicação de amigos e nem pessoas que colocaram nossos selos, por isso não haverá premiação para essas categorias.

Continue lendo...

30 de janeiro de 2009

Gravidez & Flacidez

por Franciely Tsuchiya

Depois que engravidamos nossa pele muda, a textura ao tocar não é a mesma em certas regiões (dependendo da mulher, em tudo, hehe). E mesmo fugindo da estria, não é possível fugir muito da flacidez, uma vez que o bebê irá sair e muita pele irá sobrar!
Então eu quero falar sobre isto e humanizar o pensamento com relação a isto, ou seja, vamos refletir sobre o que fazer para ter uma pele sempre saudável, de uma maneira saudável, sem muitas intervenções de inovações e também bem prática, porque afinal, ninguém tem muito tempo, principalmente depois que se torna mãe (hehe).
Vamos lá!


Estria não tem mulher que não saiba o que é! Mas e flacidez, você sabe exatamente?

A flacidez é o nome dado ao enfraquecimento das fibras colágenas e elásticas que sustentam os tecidos do organismo, pode ocorrer na pele ou na musculatura esquelética. O processo de enfraquecimento ocorre de forma natural podendo também sofrer influências genéticas, excesso de sol, sedentarismo, alimentação inadequada, fumo, gravidez, obesidade e distúrbios hormonais.

Pode ser muscular, quando ocorre de forma mais profunda, ou dérmica, quando ocorre de forma superficial. A flacidez muscular ocorre principalmente pelo sedentarismo e pela alimentação inadequada e a dérmica provocada principalmente pelo excesso de sol e por dietas restritivas. (matéria tirada daqui)

Ou seja, é mais fácil do que pensávamos, para obter um flacidez. Mas a verdade é que somente quando ganhamos um bebê, encaramos ela (a tal flacidez) de frente. E é deste tipo de flacidez que quero falar!

Seios
A flacidez nesta região é um tabu. Num país com baixos índices de amamentação e grande preocupação com a aparência, é difícil achar quem afirme categoricamente: amamentar derruba os seios. Amamentar não leva à flacidez. É a produção do leite que faz o busto dobrar de tamanho, estirando a pele.
O que ajuda: exercícios peitorais.

Abdome
Este sofre com dois tipos de flacidez: da pele e da musculatura. Com o aumento de peso na gravidez e fatores hormonais, os músculos e os ligamentos desta região ficam frouxos para facilitar o crescimento da barriga e a distensão da região pélvica, preparando a mulher para o parto.
O que ajuda: perda de peso associada a atividades físicas, pilates, abdominais em diversas sequências e drenagem linfática.
O que atrapalha: fazer dietas malucas e restritivas, que levam à rápida perda de peso. O organismo fica com falta de nutrientes e não consegue produzir elastina e colágeno, substâncias que recompõem as fibras elásticas.

Tríceps
Como, em geral, exercitamos pouco o popular músculo do tchauzinho, a situação tende a piorar com o ganho excessivo de peso.
O que ajuda: musculação com peso ou com o bebê; pilates.

Parte interna da coxa
Uma das primeiras partes onde aparece a flacidez. Assim como o tríceps, tem musculatura pouco exigida no dia-a-dia.
O que ajuda: musculação, pilates.

Glúteos, culotes
Esta região, assim como o tríceps e as coxas, é uma encrenca. Demora mais tempo para responder aos exercícios físicos porque são áreas com a musculatura pouco exigida e gordura.
O que ajuda: qualquer atividade física que você goste.

HUMANIZANDO:

O segredo é viver bem com você mesmo! Sem ninguém!!!

Durante o tempo que está sentada, deitada antes de dormir, em pé, aproveite para relaxar e mover músculos. Isto a ajudará ir contra a flacidez!
Uma mulher que não tempo para as inovações da academia, pode utilizar deste método. Será você com você mesma!
Se já tem uma boa e saudável alimentação, se não toma sol em excesso, então agora é só prestar a atenção em sua postura para fazer tudo (sentar, comer, levantar e trabalhar) e do jeito que está seja onde for e como for, levante a perna, faça exercícios cômodos, utilize seu bebê (não tão pequeno).
Você pode pensar que não resolve e por isto nem tenta mas acredite, será UM muito mais que nada!
Existem diversos casos de mulheres que perdem peso assistindo televisão. São casos de sucesso que só exige uma cadeira e seu corpo, como pode ver aqui neste vídeo!
Existem vários métodos, é uma questão de gosto, onde quer movimentar e aonde está.

A verdade é que esses tipos de exercícios são ideais, uma vez que só ajudam e não tem como te machucar, já que você não estará usando nada desconhecido além de você mesma!
É importante divulgarmos este hábito para todas as mulheres, pois assim teremos uma sociedade muito menos preocupada com o pele (essa loucura com gastos superficiais), sem o estresse das academias (por quê nem todos gostam) e ainda ter tempo para tudo vivendo neste mundo moderno!

Ficou grávida? Awww, não pára não! hehe
Esses são os únicos exercícios que você pode praticar desde nascer até morrer!
Neste vídeo, Jéssica está com 9 meses.


imagem aqui

Tenha uma vida feliz e saudável. Uma gravidez saudável e feliz. Um parto saudável e feliz!
Esteja sempre bem por fazer o ideal, e por não ter dúvidas de que ajuda, e ter certeza de que é certo!

Sucesso a todas!

Continue lendo...

27 de janeiro de 2009

O que um bebê PRECISA ter?

por Thais Saito

A primeira coisa que vêm: berço. hauahuahau, por quê, né?

A verdade é que um bebê pode ter infinitas coisas. Coisas lindas, coisas legais, coisas úteis, coisas inúteis, coisas que vão ser usadas até acabar e outras que vão ficar lá, paradas, até o fim. Existem até coisas que a gente acha que são muito importantes, mas que, quando a gente descobre uma alternativa, não consegue entender como gastou tanto dinheiro com tanta bobeira.


Na realidade, um bebê não precisa de nada além de um peito que o amamente. hauhauahauahu, legal, hein?
OK, é real, mas ninguém vai deixar os filhos pelados e descalços. hauahauhauahauahauhaua

Então, um bebê precisa de roupa. E a quantidade depende de quantas vezes a gente vai lavar roupa por semana. Se for lavar roupa do bebê todo dia (por favor, não façam isso, por causa do gasto de água e luz), duas trocas de roupa está mais que bom. Se for lavar uma vez por semana (o ideal, a meu ver, porque junta roupinha suficiente pra encher uma máquina), 8, 9 trocas de roupa está mais que bom.
Quais roupas, também depende da época. No verão, menos roupa, roupas curtas, de tecidos naturais (que transpiram melhor). No inverno, roupas quentinhas, meias, touca, cachecol, luva.
Um bebê que não anda não precisa de sapato, né? Então risquemos esse item da lista.

Fralda. A que preferirem. Se forem comprar descartáveis, comprem de pouquinho em pouquinho, porque senão a gente acaba com fralda que não serve mais.

Toalha. Uma dá, mas eu sempre tive duas (por filho. hauahauhau), por precaução (os meus eram craques em fazer cocô na toalha).

Bebê conforto, se tiver carro. Pela segurança, sempre.

E fim.
Huahauhauahhauahua

Aqui, algumas coisas que são úteis, mas não necessárias.
- almofada para amamentação, porque ajuda na posição, evitando que se force a coluna da mãe.
- sling, mei-tai, wrap. Um carregador de bebê. A gente já falou sobre isso aqui.
- carrinho. Em passeios longos ou quando o bebê já está maiorzinho, é uma mão na roda.

Aqui, coisas que a gente ouve que são super necessárias, mas que.... né?
- berço, pra quando a gente quer ter uma noite a dois, por exemplo, é útil. Mas não é tão necessário, porque a gente pode colocar um bebê dormindo no carrinho, no futon, em qualquer lugar.
- banheira. Pra quem tem ofurô em casa...... O melhor da maternidade é entrar na água quentinha com aquele bebê peladinho. Geeeeente, eles são lindos demais, gostosos demais! Aproveitem pra tirar um monte de fotos. Pros bebês de inverno, então......... Essa é a única hora em que a gente vê o bebê sem a montanha de roupas.
- mamadeira, chupeta, e acessórios. Blergh. Gente, se precisar, se quiser, compra depois! Fora que a gente sempre ganha.....

Que mais? Alguém quer colocar mais algum item que comprou/ganhou e achou inútil? Ou colocar alguma coisa que salvou a vida?

Continue lendo...

26 de janeiro de 2009

Desejos para um mundo mais Humano

por Rosana Oshiro

A querida Catarina Pardal do blog Gravidas em Forma desafiou-me para escrever meus 8 desafios/sonhos.
Vou escreve-los com relação aos meus anseios quando criei com minhas amigas o blog Materna Japão.

As regras são:
- Escrever a lista dos 8 sonhos ou coisas que mais deseje realizar;
- Convidar 8 bloggers a responder ao desafio;
- Comentar no blog de quem partiu o convite;
- Comentar no blog de quem convidamos;
- Mencionar as regras aos desafiados.

1- Sonho ver as mães conectadas consigo mesmo, sua intuição materna, e consequentemente com seus filhos, sem precisar recorrer aos "mitos" populares que ainda hoje atrapalham tanto na maternidade.

2- Sonho ver as mulheres respeitadas na sua intimidade e integridade fisica durante o pré-natal e o parto, sem serem pressionadas, nem amedontradas por falsos motivos e que possam ter partos de respeito e bem assistidos

3- Sonho que as mulheres encontrem alegria e prazer em gerar uma vida em seu ventre, apesar dos pequenos problemas que possam ocorrer na gestação, e saibam que, a vida humana, começa dentro da mãe e que depende dela o futuro da humanidade e a felicidade do seu filho(a) desde agora.

4- Sonho que os pais vivam a gravidez com suas companheiras "verdadeiramente", porque falar que está junto é uma coisa, mas estar JUNTO DE VERDADE é outra. E as mulheres além de não terem hoje uma boa assitencia medica, ainda não tem seus companheiros a SEU LADO para lhes dar apoio nas decisões.

5- Sonho que as pessoas deixem de pensar apenas no "seu prazer de viver" e pensem no coletivo, no mundo como um todo, pensem em quem não tem casa, comida e agua, e assim passem a valorizar mais o que elas tem e saibam "dividir" seus bens, mesmo que eles não sejam muitos, com quem nada tem.

6- Sonho ver nossos filhos mais preocupados com o mundo e a humanidade do que a geração atual que pouco se importa com os urgentes problemas mundiais.

7- Sonho ver as pessoas conscientes de que somos "terraqueos", todos seres iguais, e NÃO pessoas de diferentes raças, religiões, culturas e línguas.

8- Sonho o que sonhou o "Grande Mestre", ver o Amor ser a fonte de energia que move o mundo e os homens.

Deixo um video e uma musica que traduz bem meu sentimento nesse momento:


Agora passo a todos os seguidores desse blog para postarem em seus blogs, orkut ou aqui nos comentários.

E você??? Qual o seu sonho?

Continue lendo...

24 de janeiro de 2009

Fimose: é preciso fazer massagem?

por Rosana Oshiro

Quando me tornei mãe de um menino, algo que me deixava extremamente encucada era fazer a tal massagem para "soltar a pele" que cobria a cabecinha do "pipi" do meu filho, afinal, a pediatra que o acompanhava na época, disse que era o melhor a fazer para não ter que operá-lo futuramente, e... EU ACREDITEI!!!

O fato é que não precisa de massagem nenhuma!

Segundo vários livros e sites onde procurei o assunto, é normal a pele do prepucio não ir toda para trás até por volta de 3 anos. Antes disso não se diz se o menino tem fimose ou não.
A única coisa que nós devemos fazer é a higiene do pipi, durante o banho, puxando com cuidado a pelinha até onde der, sem fazer força nem machucar, para limpar o local e ver se não está fechando mais.

A Dra. Ana Paula Caldas Machado, pediatra neonatalogista de Campinas, SP, diz que "a maioria dos meninos nasce com o prepúcio bem fechadinho, o que é erroneamente interpretado como "fimose" por alguns pediatras e cirurgiões", e ela completa:
"Quando não se faz nada, o menino cresce e qundo começa a mexer no pipi ou se masturbar o prepúcio descola espontaneamente. Quando massageamos, podemos causar lesões pequenas que ao cicatrizar vão apertar ainda mais a "pelinha" , dificultando seu descolamento natural. Somente é necessário intervir quando o prepúcio é tão apertado que causa dor ou infecçoes de repetição.
Portanto, a tal massagem não evita que a criança seja operada, pelo contrário, ela dificulta o processo natural.
Quanto aos judeus, o motivo é religioso, assim como nos EUA é comum que façam a
circunsisão logo ao nascer, por motivos culturais (acham mais higiênico e bonito)."


Tem ainda, um questionário com 11 perguntas básicas respondidas sobre a fimose, no site do Dr.Lionel Leitzeke. Quem desejar conferir clique aqui

E deixem os "pipis" dos meninos em paz e eles felizes por não serem judiados, ok? =op

beijo

Continue lendo...

23 de janeiro de 2009

Simone Shizue Koike (2º parto) - Aichi


Bom ja não estava evitando engravidar há muito tempo, queria mais um filho, mas dai comecei a trabalhar e o tempo foi passando e ficando cada vez mais longe a ideia de outro filho, até que veio e ficamos muito felizes com a noticia, pois tanto queriamos e Deus nos mandou ele....

A gravidez foi tranquila, a não ser pelo fato de engordar bastante e o medico pegar no meu pe, mas dai ja estava mais a par doque diz respeito a gravidez e parto e tal. Pesquisei mais, me informei mais e fiquei bem tranquila quanto a isso, não estava tão ansiosa como se fosse o primeiro... rsss

No final, eu achava que não chegaria nunca a 39ª semana, e quando chegou ainda demorou uns dias a mais que minha primeira filha, e a ansiedade aumentou ainda mais.

Quando completei 39 semanas e 3 dias comecei a sentir as contraçoes fraquinhas pela tarde e a noite foi aumentando, como na primeira gravidez, eram 2 da manha quando fui para o hospital.

Foi um pouco mais tranquilo as dores, contrações, dilataçao. Senti que só na hora mesmo de nascer que doeu pra valer, mas dores no cocix como da primeira vez nunca vou esquecer, dessa vez foi mais tranquilo.

Quando não aguentava mais as contrações pedi pra ir pra sala de parto, mas nem tinha dilatado o suficiente e nem tinha estourado a bolsa, então ainda demorei um pouco mais até que fosse a hora de nascer. E lá ia eu com a respiraçao, gritos... Acabava gritando e deixando a enfermeira doidinha... rsssss

Na hora de nascer mesmo foram umas 4 ou 5 contraçoes fazendo força até nascer, no meio de tanta dor que a gente acha que não vai suportar...

Até que nasceu meu bebe lindo e saudavel(aparentemente), amamentei ele logo que limparam e curti ele por uma horinha na sala de parto, depois foi o mesmo procedimento que na primeira gestaçao, fui para o quarto e só no outro dia que iriam leva-lo para mim.

No dia seguinte ja não aguentava tanta ansiedade de ver meu filho, geralmente eles levam o bebe até a hora do almoço, mas passou a hora do almoço e já estava de tardezinha e nada. Meu marido foi perguntar a que horas ele iria para o quarto e as enfermeiras diziam que ele estava fazendo uns ultimos exames.

Mas tarde chamaram eu e meu marido na enfermaria e o pediatra nos deu a noticia de que ele não estava evacuando, que mamou e vomitou verde e nos mostrou a barriguinha dele cheia, bem redonda. Eu não aguentei na hora e comecei a chorar, entrei em desespero!

Ele continuou em observaçao ate a noite quando o medico, dono do hospital, nos chamou novamente e nos informou que a situaçao dele não havia mudado e que ele seria transferido para um hospital maior onde haviam mais recursos, chamou a ambulancia e lá se foi meu bebe sem mim, não me deixaram ir!

Foi horrivel para mim ver meu filho naquela situaçao e não poder estar ao lado dele, tinha segurado meu filho apenas deitada ainda na sala de parto...
Pedi para me deixarem ir, mas não deu, meu marido acompanhou meu bebe, e eu chorei a noite inteira...

Depois de fazerem os exames no outro hospital e esvaziarem a barriguinha dele, conversaram com meu marido e informaram que era uma doença não muito conhecida MEGACOLON CONGENITO ou como aqui é conhecido HIRSCHSPRUNG e que só poderia ser tratado num hospital pouco longe de onde moramos, e que só tinham especialistas no assunto. Na manha seguinte ele seria transferido novamente para esse hospital.

Meu marido foi logo procurar na internet a respeito dessa doença e levou para mim no hospital onde estava internada. Li mas mesmo assim fiquei desesperada pois não podia acompanhar meu filho, não me davam alta.

Ele foi pra lá era uma quarta feira e meu medico só me liberou sexta pra ir ve-lo, mas teria que voltar ao hospital, foi assim no sabado também, até que domingo tive alta.

E foi assim durante quase 2 meses. Meu bebe ficou internado, fez cirurgia para retirada de um pedaço do intestino que não funcionava, mas hoje graças à Deus meu filho esta saudavel (ainda em tratamento, mas saudavel).

Foi uma luta, muito sofrimento! Novamente não pude fazer a foto da minha alta com meu bebe nos braços, mas depois de tudo, foi uma grande vitoria!!!

Nunca pensei que ia falar isso mas hoje fico tão contente quando meu bebe faz coco!rsss

Me sinto feliz por ter meus dois filhos lindos e bem saudaveis pois meu filho é bem faminto e com certeza vai ter bastante saude!!!!

Continue lendo...

Simone Shizue Koike - Aichi


Em minha primeira gestaçao tudo aconteceu tao de repentr que nem imaginava engravidar, tinha apenas 19 anos e acabado de passar por uma tempestade, mas enfim, amei qndo soube, apesar de depois ter passado por altos e baixos, fiquei muito confusa com tanta mudança tao repentina na minha vida, mas o melhor de tudo é q meu marido me apoiou em todo momento e foi nossa força juntos que fez nossa princesa nascer saudavel e muito amada!!!

Foi uma boa gravidez, apesar dos descobrimentos repentinos, foi tranquila.
Eu não sabia muito de maternidade, pra falar a verdade não sabia nada, então tudo que o medico falava era o certo a fazer e lá ia eu tentar seguir a risca!!!
Fui na minha consulta de 39 semanas e tudo tranquilo, tudo normal o medico tinha ate falado pra eu caminhar bastante, fazer um soji caprichado em casa porque minha bebe não tinha nem encaixado e nenhum sinal de dilataçao, lá fui eu de volta pra casa, no dia seguinte, num sabado caprixei tanto no soji, ate o teto do banheiro tava la eu de
barrigao lavando rsss...

Depois de terminado, fui no banheiro e vi sinal de sangue, fiquei desesperada e fui correndo no hospital, la o medico me examinou e falou que estava tudo normal, tranquilo e na mesma, falou que podia continuar com as atividades...

No dia seguinte acordei e sentia tipo umas coseguinhas beeeeeeeem leve na barriga,vinha e ia direto, liguei pra tsuyako do hospital, expliquei e perguntei se era contraçao, mas como tava bem espaçosa e fraquinha ela não podia saber mas disse pra ficar tranquila e só ir pro hospital e sentisse mais forte, pois nem sabia se era mesmo, continuei com minhas atividades o dia inteiro, fiquei sentindo essas*coseguinhas* o dia inteiro, mas não incomodava.

Ja de madrugada umas 2 da manha, começou a ficar mais forte e em menos tempo, marinheira de primeira viagem, corri pro hospital, fiquei um tempão sentindo as
contrações, até chegava a cochilar de tanto cansaço nos intervalos, mas meu marido ali do meu lado cuidando de mim, fazendo massagem e tal...

Era umas 2h da tarde qndo ja não estava mais aguentando de dor e a bolsa estourou, fui para salinha pra ver se tinha dilatado bastante e falaram que só tinha dilatado 7cm, mas que podia ja ir pra sala de parto, fui pra la e não demorou muito pra nascer...
Aguentei mais um pouco e quando a enfermeira mandou fazer força, fiz, dai já cortaram e
ela nasceu, linda e saudavel! Me deram ela pra segurar um pouco e logo levaram pra limpar enquanto me costuravam.

Logo ela veio ficar comigo, pude amamentar e tudo parecia magico, sensação inexplicavel!
Depois quando fui para o quarto ela ficou no berçario por um dia e depois ficamos juntas.Consegui amamenta-la sem muitas dificuldades.

Depois de uma semana, na manhã da minha alta o pediatra me chamou e falou que minha filha tinha icterícia e deveria ficar um dia na luz da encubadora, na hora fiquei tão desesperada, mas o medico me tranquilizou falando que não era nada grave, era melhor pra ela, então fui embora sem minha filha. Chorei, mais chorei tanto, o dia inteiro, queria tanto fazer aquela foto da nossa alta(eu e minha bebe)...

No dia seguinte fui busca-la e depois disso foi total felicidade!!!

Tive bastante leite pra amamenta-la e hoje vejo ela saudável e fazendo tanta bagunça que me deixa ate louca, mas não sei mais viver, ser feliz sem essa loucura toda! rsss...

Continue lendo...

Marisa Tiyoko Guedes - Aichi



Pode se dizer que tudo começou no final de 2007, nós estavamos com planos de ir ao Brasil em dezembro e já estava tudo certo, até a passagem de ida e volta ja estava marcada e nos nossos planos na volta ja iriamos encomendar o nosso filho, mas nem tudo acontece como planejamos e deu tudo errado não deu para ir ao Brasil, e resolvemos não desistir dos planos para nosso filho!

Em novembro parei de tomar remedio e em março engravidei, não esperava que fosse engravidar tão rapido porque tomava remedio a muitos anos, todo mundo dizia que demorava +ou- 1 ano, mas ele veio e ficamos muito felizes por isso, começamos a arrumar o quarto dele e fazer todos aqueles planos que os pais fazem para seus filhos e curtimos muito cada faze da gravidez.

Minha gravidez foi super tranquila, não tive enjoo só um calor insuportavel, e no final da gravidez um pouco de caimbras, meu apetite não aumentou muito, e também não podia comer muito porque engravidei acima do peso(estava com 86 quilos) e o medico pediu para controlar o peso, ele disse que eu só poderia engordar 6 quilos, eu achei aquilo um absurdo, mas fiz dieta e no começo da gravidez até emagraci um pouco, mas no final engordei 11 quilos ao todo.

Sempre pensei que ia ter meu filho de parto normal, porque tenho duas irmãs que engordaram 20 quilos em cada gravidez delas(são 4 sobrinhos) e todas tiveram de parto normal, já conhecia o medico e pensava que ele faria de tudo para eu poder ter meu bebe normal tambem, sabia que ele pegaria no pé por causa do peso, mas já tinha em mente que não ia deixar ele me estressar com esse assunto, como tinha em mente tambem que não iria abusar engordando muito para poder ter uma gravidez tranquila.

Até o setimo mes tudo ia bem, mas aí ele começou a pegar muito no pé por causa do peso me pedindo para emagrecer, não sei como ele queria que eu perdesse peso no final da gravidez... Mas eu continuava tentando pelo menos não engordar, quando estava com 35 semanas ele marcou uma reunião comigo e com meu marido para dali duas semanas para conversarmos sobre meu peso e uma possivel cesarea, quando ele marcou essa reunião eu fiquei tão triste pensando na cesarea que chorei o dia inteiro, meu marido tentou me acalmar mas era só eu lembrar da reunião que eu começava a chorar de novo, antes da reunião tinha mais uma consulta de pré natal e perguntei para o medico se era certeza de ser cesarea, ele me disse que ainda não que ele iria analisar o meu caso ainda, fiquei cheia de esperança.

Na reunião ele me deixou no chão, me falou que eu estava acima do peso seguro para um parto normal, que eles não tinham como garantir um parto seguro se fosse normal, que minha pressão estava dando sinais de estar aumentando e era melhor e mais seguro tanto para mim como para o bebe a cesarea com anestesia geral porque pelo meu peso a raqui não pegaria, fiquei muito, mas muito chateada mesmo mas acabei concordando, meu marido tambem achou melhor assim, nos dois conversando melhor depois chegamos a conclusão que o problema no meu caso era mais o despreparo da clinica e do medico para o meu parto, no caso um parto de uma pessoa acima do peso... Mas tambem enchi ele de perguntas se seria seguro para mim e para o bebe, porque ele marcou a cesarea para a semana seguinte e eu estaria com 38 semanas e ele disse que não teria problema nenhum!

Devo dizer tambem que apesar de toda a tristeza e apreensão pela cesarea eu estava muito feliz e satisfeita com minha gravidez e por meu filho estar chegando em minha vida, não deixei de curtir minha gravidez em nenhum momento, nunca fiquei triste com minha gravidez e sim com o medico e a cesarea.

Bom aí para nós começou a contagem regressiva para a chegada do Felipe, tinha tanta coisa para terminar de arrumar em casa que o tempo passou voando e quando percebi ja estava internada esperando a hora do parto, eu internei no dia 17(segunda-feira) para fazer os exames para a cesarea que seria no dia seguinte(18 terça-feira). Meu marido tinha dito que iria trabalhar na segunda e folgaria a partir de terça, mas de domingo para segunda não conseguimos dormir direito a noite por causa da ansiedade, e ele resolveu ficar comigo na segunda tambem. Fiz todos os exames e tentei me manter calma, mas a cesarea me preoculpava muito, tinha muito medo dela, era minha primeira vez de muitas coisas... Primeira gravidez, primeira internação, primeira vez que ficava no soro (tenho pavor de agulha, sempre que vou tirar sangue não posso olhar se não passo mal, rsrs), primeira vez que ia entrar na faca (nunca levei ponto), primeira vez que ficava apagadona, nunca nem desmaiei rsrs...

No dia 18 desde manhã a ansiedade ia aumentando as vezes eu não aguentava e lembrava da cesarea e chorava, não sei se de medo ou de tristeza, mas lembrava que logo estaria com meu filho nos braços e mandava a tristeza e o medo embora, minha cesarea estava marcada para as 2 horas, mas a enfermeira disse que se entrasse algum parto de emergencia poderia atrasar, entrei para a sala de cirurgia as 4 horas, quando a enfermeira veio me buscar comecei a chorar porque estava com medo e meu marido não poderia estar ao meu lado naquele momento, quando deitei na maca pronta para a cesarea antes de apagar por causa da anestesia me bateu um panico eu queria sair correndo dali, mas não deu tempo de pensar em mais nada logo apagei.

Quando acordei 2 horas depois, meu primeiro pensamento foi de gritar que não queria mais a cesarea, aí senti a dor na barriga e lembrei que não dava mais para voltar atrás, e logo pensei no meu filho... Estavam me levando para o quarto e escutei a voz do meu marido falando que estava tudo bem, que ja tinha visto nosso filho e ele era lindo!!! Uma hora depois levaram ele para eu ver, ainda estava meio grogue mas mesmo assim quis amamentar, foi a melhor sensação da minha vida! Naquele momento esqueci de tudo e de todos(o quarto estava cheio de gente) e só pensava no meu filho ali comigo! Ele ainda não ficou comigo porque eu estava sendo monitorada para ver se não teria nenhum problema decorrente da cesarea, fiquei sendo monitorada até meia noite depois fiquei mais um dia só no soro e sonda, no primeiro dia senti muita dor, mas depois foi diminuindo e no quarto dia não sentia mais dor, só um incomodo pequeno, eu fazia de tudo para que a dor passasse logo para poder cuidar do meu filho bem, era só nele que eu pensava.

Quando olhava para o rostinho do meu filho esquecia de toda a dor e so lembrava do amor que sentia por aquela pessoinha tão pequena que ja preenchia toda a minha vida em todos os sentidos! Apesar de toda a tristeza do parto não ter sido como eu queria a chegada do meu filho me fez esquecer de tudo, a cesarea não tinha mais importancia, o que importava era eu e meu filho juntos!

A amamentação foi uma maravilha, eu tinha muito leite e depois de umas cinco tentativas ele pegou bem o peito, só tinha um pouco de dificuldade quando o peito enchia muito, mas depois foi tudo muito bem! As enfermeiras queriam que eu desse leite em pó para meu filho, no começo dei de vez enquando depois falava que dava e só dava o peito, Graças a Deus ele mamava muito e muito bem, nesse ponto nos entendemos muito bem!



Hoje vejo que a maternidade é a coisa mais maravilhosa do mundo!!! Como eu vivi todos esses anos sem meu filho? Não sei... só sei que não sei mais viver sem ele...

Continue lendo...

Kelly Keiko Yamada - Kanagawa



Toda minha gravidez foi tranquila, não vomitei, não tive caimbra, não tive inchaco, nada de nada. Somente aos 7 meses descobri que era menino, comecei a pesquisar sobre parto, dores, ver videos, fotos, relatos sobre parto. Nesse hospital o parto é humanizado, eu nem sabia o que era isso! Dai conheci a Rosana, que me auxiliou bastante nesses assuntos com sua experiencia e paciencia…

No final da gestacao comecou o periodo de ansiedade,o bebe estava “alto”, não havia contração nenhuma, nem dor, nem dilatacao do colo do utero. Na 36 semanas o medico passou uma pomada para afinar o colo do utero e nada. Na 38 semanas tambem nada. Estava chegando o feriado de Dezembro, ele esperava até 42 semanas, mas o medo de uma possivel cesaria comecou a me apavorar. Na 39 semana ele colocou um tipo de “tampão” que entra pequeno e se dilata lá dentro, fazendo com que o colo do utero se afine e dilate. Isso foi numa Quinta-feira, voltei pra casa arrasada, preocupada. Na sexta limpei a casa toda,andei o dia todo.Comecou a sair o tampao mucoso.Sabado continuava saindo,me animei e andei por umas 2 horas, limpei a casa toda de novo, tomei sopa de cabrito com gengibre, chá de canela e a cada dorzinha que sentia me animava toda pensando: Venha dor, venha dor, porque quero parir naturalmente…

No Domingo acordei e NADA, estava super bem, nada de dor, nem de contracao… me bateu um desanimo, um sentimento de incopetencia, sera que nao sirvo pra parir?? Me perguntava...
Comi muito o dia todo e a noite toda, achava que era ansiedade, mas depois me dei conta que ja era meu organismo se preperando…

Segunda-feira, ás 7:30 da manha minha bolsa estourou, assim, do nada, estava sentada e quando me levantei,ploc! Meu marido ainda estava em casa e comecamos a nos preparar…
Verifiquei a cor do liguido, e não era escuro. Fui tomar banho, liguei pra Rosana pra saber das ultimas coordenadas, mas passado algum tempo fomos pro hospital, por causa da ansiedade e inseguranca. Não tinha dor, nem contracoes regulares. Chegando no hospital, estava com 4 cm de dilatacao e fui internada. Ficamos instalados no quarto,levei a bola de exercicios, andei o hospital inteiro, subia e descia as escadas, me serviam as refeicoes normalmente, umas duas vezes colocaram aquela cinta pra monitorar o coracao do bb, mas era por meia hora e podia ficar sentada na bola, nao precisava ser deitada. Não colocaram soro em nenhum momento, só me deram um remedio para tomar pra evitar infeccao. Assim fiquei o dia todo e a noite toda, de boa, nada de dor.

De madrugada começaram as dores, contracoes de 5 em 5 minutos. Foi a madrugada mais longa da minha vida, meu marido junto, coitado, fazendo massagem nas costas. Nos levaram pro outro quarto, mais proximo da sala de parto. La ja estava tocando musica classica, tomei banho pra ver se amenizava, mas logo desisti de ficar debaixo do chuveiro, por causa do vapor que ja estava me dando agonia…

Café da manha e nada de mais dilatacao. Estacionou nos 7cm...Estava com 24 horas de bolsa rota, e começaram os telefonemas, todos preocupados com isso, o bebê ta no seco, sera que esta certo isso? Comecamos a nos preocupar, mas as enfermeiras explicaram que a cabeca do bebê encaixou e serviu de tampa ,dai voltou a encher de novo, que não tinha problema e além do mais o coracao dele estava bem e a mãe estava bem. Temos que esperar.
Almoco e 8cm de dilataco. Nessa hora eu ja não conseguia comer, tomava muita agua. Minha irmã chegou pensando que ja tinha nascido e meu marido aproveitou ir em casa descansar um pouco.

As 14:00 comecei a sentir o tal “puxo”, que vontade incontrolavel de fazer forca, a tal “forca de coco”… Dai já não estava mais raciocinando direito, lembro que eles me arrastaram para o quarto de tatami durante o intervalo das contrações, e que não deu tempo de chegar lá e tivemos que parar no meio do corredor, mandaram eu fazer xixi e começaram a arrumar tudo para a grande hora. Quarto de tatami, luz baixa, musica classica tocando, uma corda pra me pendurar caso eu quisesse parir de cocoras. Tentei várias posições, mas acabei ficando de quatro mesmo, com um edredon debaixo da barriga para apoiar. Mordia uma toalha, quando vinham as contracoes. A enfermeira o tempo todo me ajudou, protegendo “lá embaixo” pra não machucar e pra não dar hemorroidas. Outra fazia massagem nas costas e segurava minha mão. Meu marido ajudava a me segurar,minha irmã tirava fotos, me abanava e me dava agua. De repente, no meio de tantas dores, escuto vozes familiares… da minha irma mais velha, da esposa do meu sobrinho, chorinho da Sarah- minha sobrinha de 1 ano e meio, meu outro sobrinho de 5 anos… Pensei: poxa, to com tanta dor que ja estou delirando…to vendo todo mundo aqui!!! Mas na verdade estavam todos lá, chegaram pra visitar e me pegaram no final do parto, dai as enfermeiras mandavam entrar, porque nesse hospital a familia pode assistir se quiser. Meu parto parecia uma festinha:era crianca correndo pra cá, eu gritando de dor, uma tirando fotos, as enfermeiras apostando com meu marido como seria o cabelo do bebe…
Quando a cabeca estava coroando, meu marido foi ajudar as enfermeiras, ele que segurou o bebe quando saiu!!! Incrivel, eu achei que ele não fosse aguentar ver ate o final mas ele parecia o medico! Quando nasceu, escutei só um chorinho e todos dizendo:como ele eh lindo! Já estava com olhos abertos!!!

Me ajudaram a me virar e fomos por fim apresentados. Eu fiquei totalmente sem reação, nem chorei, nem nada. Ele também, ficamos nos olhando…a ficha ainda não havia caido! Aquele bebe, daquele tamanho estava dentro de mim! Colocaram ele em cima de mim pra esquentar e mamar, ainda com o cordao pulsando, depois chamaram meu marido pra ajudar a cortar. Esperamos a saida da placenta.

Um tempo depois me limparam, me vestiram e fomos pra outra sala pro medico me examinar e ver a situacao “ la embaixo”. Gracas a Deus, nada de hemorroidas nem de estragos maiores…hahahha O medico disse: tem um machucado aqui que se voce quiser deixar mais bonito vamos dar um ponto. Sem anestesia,porque é só um ponto. Ok, e la vou eu de novo gritando…hahahha Sim, gritei o parto inteiro, a cada contração!

Ao meu lado estava o meu marido e a enfermeira fazendo checagem no bebe, contando os dedos, mostrando o pipiuzinho, pesando e medindo…

Fomos pro quarto de tatami de novo, agora ja estava tudo arrumado, minha refeicao ja estava la e eu só pensava em comer! Todos ainda estavam lá, rindo, conversando sobre o parto, tirando fotos do bebe. Aos poucos todos foram embora e ficamos só nós tres. A nova familia!

Dai eu me toquei que havia algo me incomodando. Musica, aquela musica estava tocando no minha cabeca durante horas e ja me lembrava dor. Hoje não penso em escutar Bethoven. Pedi pra desligarem aquilo!!!!!!! No inicio eu me empolguei e pensava, nossa que chique que eu sou, tem musica no fundo…hahahaha

Depois ficamos só eu e o Breno. Só ai que chorei. Chorei de alegria por ter dado tudo certo, chorei de emocao ao reparar em cada detalhe do corpinho dele. Sei que não teria dado conta se não fosse o apoio e amor do meu marido e depois da minha irmã. Não teria o parto que planejei sem a ajuda de toda equipe do hospital e principalmente do meu medico, que sempre acreditou na minha capacidade de parir naturalmente. Da Rosana Oshiro e todas as meninas do grupo materna. Obrigada a todos.

Ps: Dor? Doi mesmo, mas acreditem, hoje fazendo esse relato ja não consigo descrever as dores. Logo se esquece. Expulsão? Hora que o bb sai não é nada comparado ao cansaco das contracoes. O mais longo e doloroso são as contracoes ate alcancar os 10 cm.

Continue lendo...

O Sono de Mãe

por Franciely Tsuchiya

Este é um assunto assim: Antes, é profundo; durante, um sussurro te acorda; e depois, você nunca mais será a mesma! hehe
Vou falar sobre o sono e dormir depois que a gente vira mãe...

Quem é mamãe já sabe, não dá para dormir, uma noite sequer inteira. E a questão pode até não ser mais o bebê, mas tá lá, o velho e bom hábito de acordar...
... banheiro...
... muita sede...
... os filhotes, o marido, o bichinho de estimação...
Pode ser o que for... mas é! *risos*

Quando fiquei grávida, ouvi algumas pessoas dizendo para aproveitar para dormir, pois depois que o filho vêm, 'acabaram as noites bem dormidas'.

Eu me arrisco a dizer que, meu soninho gostoso... se transformou em outro soninho gostoso! hehe

Quando digo que mudamos para sempre, é porque nos torna mais atentas e seguras!

A maior vantagem em acordar no meio da noite, é simplesmente parar e pensar:
- Ai... eu posso voltar a dormir! hehe
Coisa que não acontece quando dormimos a noite inteira, e pior, parece passar mais rápido!
E para algumas, a raiva ao acordar:
- Aiii... já amanheceu!!!
hahahaha

O sono é algo bem interessante, passamos por 2 estágios (REM / NREM) antes de cairmos no sono profundo.
Alguns estudiosos concluíram que, o sono de uma mulher após se tornar mãe pode ser o 'sono polifásico'. É um padrão de sono alternativo no qual o tempo dedicado ao descanso pode ser reduzido em até duas horas por dia sem causar danos a saúde. Historicamente foi utilizado por pessoas engajadas em atividades que não permitem longos períodos de sono, como velejadores, astronautas. Também foi utilizado por diferentes motivos e de diferentes maneiras por personalidades como Leonardo da Vinci que dormia 15 minutos a cada 2 horas.

A verdade é que este fato do sono de mãe, somente passando sabemos como é e como funciona. E que o cansaço que sentimos logo após o nascimento dos filhos, não é um cansaço ruim.
Se numa horinha qualquer, conseguimos descansar um pouquinho que seja, pronto! Já ficamos feliz da vida! *rs*

Quando é final de gravidez, o sono impera. E deste sono gostoso, o qual queremos e podemos dormir, não podemos sentir falta! hehe É um soninho maravilhoso, tá certo! Um soninho, que literalmente invade nosso corpo. É estar sentindo nosso pequeno bebê mexendo suave e nos relaxando que é uma beleza! haha
Mas é algo que muda nossas vidas e nos transforma! E se tranforma em outra coisa gostosa!
Depois vêm as contrações e nossa vida quanto ao sono, no mesmo dia já muda!

Com a chegada do pequeno nem queremos dormir, queremos é curtí-lo. E tem ocasiões adversas que não nos deixa dormir!
Neste caso, dormir ou não dormir não interessa!
O que importa é a consciência de estar feliz!

As contrações fraquinhas chegaram? Aquelas que é melhor dormir agora, pois depois daí que não vai conseguir... e depois ainda tem o cansaço do pós-parto, bebê pra cuidar...
Mas mesmo sabendo disto você não quer dormir?
Então não durma!

Mas quer estar sempre bonita, feliz e disposta?
Então durma! hehe

Aproveite quando eles dormem, para tirar seu desejado cochilinho! Deixe tudo para depois, vai descansar!
E fique sempre bem! Se cuide direitinho... dormindo ou não!

Afinal, o sono de mãe é assim mesmo... quando dá!

Continue lendo...

21 de janeiro de 2009

Vacina BCG Japonesa

por Franciely Tsuchiya

Eu vou contar um pouco de como funciona a BCG japonesa e como ela reagiu no braçinho do meu filho Ben (um caso de infecção).
Para as mamães que ainda não sabem como é poderem conhecer, e para as mamães que passam pelo mesmo problema com medo, poderem ficar tranquilas e seguras!

A BCG é a primeira vacina que a criança recebe. Confesso que não sei nada sobre como isto funciona no Brasil, pois cheguei no Japão ainda adolescente e faz uma década que moro aqui. Tive meu primeiro bebê aqui, e muito antes disto não me lembro de muitas funcionalidades referentes ao Brasil. hehe

Bom, na foto está a Clínica que frequentamos (eu e o Ben).
O prédio todo se chama Medical center, pois possui vários ramos da medicina, não somente GO (ginecologia & Obstetricia).


Esta é minha médica, e que médica! Excelente pessoa também!
Kaoru Kawaguchi - Kawaguchi sensei.
Algumas meninas da materna a conhecem! E sabem que a clínica é do estilo humanizada!


Então, aqui no Japão, a BCG é um carimbo com 9 pinos, apertado sobre o braço direito da criança (a partir dos 3 meses) por 2 vezes. Antes de tudo, o braço é desinfetado e depois coloca-se gotas da vacina (foto) no braço da criança, esfréga-se (o carimbo na vacina) e por último carimba-se (2 vezes) , formando 18 furos (a cada 3 na horizontal e 6 na vertical). Os pinos são para permitirem a entrada da vacina.
Dizem ser a pior vacina, mas o Ben não chorou, por incrível que pareça, nem quando ela forçou o carimbo da segunda vez.
São pinos bem curtos!



Foto de meu pequeno Benjamim e seu braçinho quando a vacina começou a ter reações.


Agora a parte que assusta muitas mamães:
Em muitas crianças a vacina BCG tende a piorar, infeccionar e se tornar uma ferida feia. A infecção parece ser grave, enche de pus e cheira mal. Mas não se deixe abalar por isto! Não precisa ir ao médico!
Com o Ben foi exatamente assim, da pior maneira que poderia ser!
Somente o primeiro buraquinho à esquerda não abriu. Em muitos casos a vacina toda fica bem assim!



Eu já conhecia casos assim (de arruinar) e estava preparada. Em todo tempo me mantive calma para meus afazeres com o pequeno. A cada banho retirava toda a impureza (todo dia após o banho ficava aqueles enormes buracos com a saída do pus) e NUNCA passei NADA! Nem uma coisinha caseira que seja! Quando digo nada é NADA, ok? hehe
Ah! Outra coisa, tem que usar regata!
Com manga, a gente não vê qual braço é, não sabe qual pode tocar a vontade, não toma ar para secar rápido e ainda cola no tecido. Mas é uma época de curtos passos, fazer tudo beeem devagar a cada momento. O Ben NUNCA chorou por causa deste braço! E nem febre e nem NADA! Acho que ele nem sabia que tomou vacina! hehe
Se a gente não encosta, não doe nunca! Mas às vezes implica em não sair de casa esperando sarar!

Vamos ao processo de cura: (no pior dos casos)

1. Após a vacina ficam só os buraquinhos e demora muito para ficar cada buraquinho com bolinha amarela.
2. Depois as bolinhas vão virando pus e começa a encher.
3. O pus sempre sai em cada banho e fica somente o buraco.
4. Os buracos ficam sempre grande mas vão formando pequenas cascas.
5. Mesmo com casquinhas, amolecem no banho.
6. As casquinhas ficam mais fortes ou começa a sarar de dentro para fora, vai formando pele.
7. E então, inacreditavelmente parecendo não sarar nunca, sara! Sara muito bem!



Depois a gente vê aqueles buracos grandes da marca da vacina nas crianças japonesas e concorda (antes de passar por isto) que deve ser a pior vacina, mas não, não é! É uma vacina boa e segura!
O pior são as agulhadas das outras vacinas depois... que exige penetrar toda a agulha pele adentro. Daí eles choram! hehe

Continue lendo...

19 de janeiro de 2009

Sobre refluxo em bebês

por Rosana Oshiro

Muitas mães, principalmente de primeira viagem, ficam assustadas quando vêem seus bebês "pondo para fora" todo o leite que acabou de mamar, algumas vezes até pelo nariz, e logo correm para um pediatra para saber qual é o problema.
No Brasil os médicos logo dizem que é refluxo, e indicam medicação. Não sei como é aqui no Japão, mas vou, neste post, esclarecer sobre a questão do refluxo de forma a deixar as mamães mais tranquilas.

Todo bebê tem refluxo. Todo. O sistema digestivo deles é imaturo, então é normalíssimo regurgitar. Esse é o refluxo fisiológico, o bebê golfa e tá beleza.

Geralmente os bebês regurgitam bastante, porque ingerem mais quantidade de leite do que cabe no seu estomagozinho, afinal ele não tem noção de quantidade, e o estomago dele também, vai dilatando dia, após dia.

Regurgitar é a coisa mais normal do mundo, e quando acontecer, a mãe deve estar atenta aos sintomas e quantidade de vezes que ocorrem o episódio.

Normalmente os bebês ficam mais irritadiços, e amamentar com mais frequência e menos quantidade por vez, talvez possa ajudar.

Aqui, passo algumas medidas posturais para ajudar no caso de seu bebe começar a ter refluxo em todas, ou várias mamadas durante o dia:

- amamentar com o bebê inclinado, num angulo de 45º, evitar fazê-lo com ele deitado porque isso facilita o leite voltar;
- depois da mamada, manter o bebê em pé no colo, sem sacudi-lo, (pode-se fazer movimento lado a lado) por pelo menos 20 minutos;
- depois do bebê arrotar vale colocar em pé no sling ou deitada mais inclinada
dentro do sling. Pode ser também num bebê conforto, desde que a barriguinha não fique pressionada;
- na troca da fralda, vale o esforço de não levantar as perninhas!como? Limpando de ladinho!!! Dá um pouco de trabalho, mas compensa porque assim você não força a barriguinha, evitando que o leite volte;
- coloque também uma almofadinha ou travesseirinho (daqueles fininhos de furinho) no trocador ou embaixo da cabecinha dela na hora de trocar a fralda;
- eleve a cabeceira do berço com aqueles colchões antirrefuxo ou com uma coberta embaixo do colchão. Eleve o carrinho também;
- é importante nunca deitar o bebê "reto" por, pelo menos, 30 minutos depois de mamar;

As vezes o refluxo é oculto, ou seja, o bebê não regurgita, mas fica incomodado com o leite voltando dentro do esofago. Por isso compensa essas medidas. Mas não se preocupe porque a maioria dos refluxos é fisiológico e passa sem maiores problemas. No refluxo patológico o bebê não dorme direito em nenhum momento do dia. Não ganha peso (as vezes até perde) e evita mamar porque associa a alimentação com dor. Muitas pessoas falam em refluxo, mas o refluxo patológico que merece medicação pouquíssimos bebês tem mesmo!

Claro que existe refluxo patológico. Nesse caso é importante verificar o histórico familiar porque geralmente há alguém na familia que passou ou passa pelo problema.

Nesse caso a criança chega a chorar muito, muito mesmo. Há relatos de 12h ininterruptas de choro, e eu não estou exagerando. Choram até perder a voz. Mamam e largam o peito aos berros. Regurgitam, e ficam 1 hora chorando direto. Nesse caso é preciso ter um bom pediatra acompanhando com cautela, para então começar um passo a passo:

1º - Medidas posturais, se não resolver, vai ao segundo passo;
2º - Cortar todo tipo de laticinio da alimentação da mãe (no caso de bebês que mamam no peito) ou da própria criança, caso seja amamentada com leite de vaca, e acompanhar atentamente o ganho de peso do bebê comparando com a curva de crescimento e caso esteja abaixo do esperado, seguir para o proximo passo
4º - Medicação (que as vezes pode piorar os sintomas, é preciso estar atenta!)
5º - Fazer um combinado de posturas, nada de leite de vaca, com o uso de medicação.

Geralmente, seguindo o passo 1 e 2, costuma já dar bons resultados, mas se for necessário, um especialista é que deverá indicar o melhor remédio.

Nunca utilize medicamentos sem consultar um médico, não acredite em remedios bons para "isso e aquilo", e que são inofensivos, pois não são.
Tome cuidado!

Você pode estar prejudicando seu bebê ao invés de ajudá-lo, ok?

Leia mais sobre refluxo fisiológico no link: Como conviver com o refluxo

Continue lendo...

18 de janeiro de 2009

Cuidados com os pequenos - para rir =oP

por Rosana Oshiro

Você sabe mesmo trocar a fraldas de um bebê? Sabe como alimentá-lo? Sabe tudo sobre segurança de uma criança pequena? Sabe tudo mesmo sobre seu pequeno?
Se você acha que não, então veja este post...

(clique na imagem para ampliar)


huahuahuahuahuahuahuahua
Aprendeu???
Agora é seguir as dicas! rsssssss

Beijos e bom domingo a todos!

Continue lendo...

16 de janeiro de 2009

Assaduras

por Franciely Tsuchiya

A verdade é que não precisamos, necessariamente, trocar nossos filhos logo após ele fazer xixi. A troca pode ser feita com hora marcada, como por exemplo a cada 3 ou 4 horas.
Mas a verdade é que existe uma preciosa dica para um bumbum sempre sem assaduras.
Aproveitarei para passar a informação do que fazer com a assadura, e seja ela até mesmo fora do bumbum. E garantir a tranquilidade e confiança da mamãe que não sabe bem lidar com o problema!

A dica mais importante para um bumbum sem assaduras é secá-lo bem a cada troca! Ele deve estar limpo e sem grudar nas suas mãos!

O motivo de nossos filhos usarem fraldas é por quê eles ainda são muito pequenos e por isto dependentes, e precisam de nossa ajuda para fazer suas necessidades fisiológicas. E como mais de 98% das mamães não conseguem a comunicação com os bebês para saberem quando eles querem ou precisam fazer essas necessidades, além do trabalho que exige ficar 100% de olho nos pimpolhos, então foi-se inventado este método, mais que, cômodo para as mamãe, são elas as fraldas. Só que este método não é muito cômodo para os pequenos, já que exige da pele deles, causando muitas vezes irritações diversas. Mas é possível agradar mamãe e bebê, sim!
É preciso utilizar dos melhores produtos para evitar isto, uma boa fralda para evitar a irritação, um bom sabão para a pele na hora do banho e um bom produto para as assaduras (???)

Bom, como aqui (materna) somos todas puramente humanizadas, apoiamos assim: fralda só se for de pano (os tecidos são ecológicos e sem químicas, e garantido que na pele dos pequenos se darão bem), produtos para o banho só se forem naturais (totalmente ecológicos e que não agridem em nada mesmo, nem bebê, nem natureza) e quanto às assaduras, bom, vamos falar sobre como cuidar delas da maneira mais natural possível.

Nenhuma mãe precisa se desesperar, porque seu filho acabou de fazer xixi e a troca é impropícia (lugar impróprio, momento impróprio, seja o que for). Se os cuidados ante-troca forem feitos adequadamente, não há com o que se preocupar. E sabemos que nenhuma mamãe dá conta de ficar 100% dedicada ao pequeno, são tantos afazeres! hehe
Uma troca a cada 3 ou 4 horas (ou até mais, dependendo do caso) é extremamente possível!

Mas estamos falando de xixi.
Quando relacionado ao cocô, temos muitas opções: a de que, já estava na hora de trocar mesmo (hehe); a de que, está com um cheiro muito ruim então vou trocar; a de que, não percebi e agora já foi, passou 3 horas.
Seja o que for, o bumbum de seu filho não deve ter assaduras!

O que vai acontecer é que depois que ele nascer passará por uma fase de troca de pele. Esta pele super fina, macia demais e muito sensível passará a ser mais forte e resistente. Com esta troca (de pele) contínua (ainda mais nos primeiros meses de vida) o bebê pode até apresentar uma certa irritação, que aos poucos vai passando e parecendo que está "se acostumando" com as bactérias do xixi . A pele tende a ficar vermelhinha às vezes, mesmo com trocas (de bumbum) bem seguidas. Mas nunca deverá ficar com rachaduras excessivas (no vivo, como dizem por aí). Porque senão, quer dizer que você não cuidou, ou que o nenem tem uma pele sensível demasiado, e em alguns casos até porque precisa de um tratamento rigoroso.

Tratamento rigoroso é quando se precisa de uma química para cuidar do fato!
Qualquer assadura ou irritação (qualque parte do corpo) muito forte, no Japão, é recomendada uma pomada muito conhecida, se chama Locoid, em japonês é ロコイド (rokoido). E pra quem não vê problemas em ganhar pomadinhas no hospital, eu vou falar um pouco sobre esta pomada.



A verdade é que você deve fugir de qualquer química! Queira cuidar de seu filho da maneira mais natural possível! Se possível!!!
Se caso você reclamar para seu médico sobre qualquer "irritaçãozinha" que seu pequeno apresenta, com certeza ele vai te receitar uma pomada como esta, algo do tipo 'Hidrocortisona'. Então vamos saber agora sobre esta pomada, a Locoid:

Usada para combater bactérias e fungos que causam infecções cutâneas (eczema e dermatite, na pele). Pode ser usada na face, pescoço e até nas genitais e em bebês.
E como uma pomada pode matar "bichinhos" e ao mesmo tempo ser pra algo tão delicado?
Na verdade não poderia!
Os especialistas criam algo sintético, mas nada é mais perfeito que o funcionamento de nosso próprio corpo!
Drogas como Locoid não cura a causa desses problemas, mas eles podem rapidamente aliviar os sintomas, interferindo com a produção de diversas substâncias no corpo que causam estas doenças da pele. Existem Corticosteróides sintéticos (副腎皮質ホルモン)!

Pegue uma tabela periódica (química) e fique imaginando, quantos elementos daqueles, precisam para formar uma pastinha de uma pomada (?)
Dentro de nosso corpo existem grupos de hormônios ( no caso desta pomada - Corticosteróides) e quando têm algo errado com eles, sofremos na pele. Mas se injetarmos químicas nestes hormônios, podemos sofrer ainda mais do que o problema em si, dependendo do caso.
Então, é melhor ter certeza que você realmente precisa de alguma química para melhorar seu problema, ou, o futuro mostrará o problema.
Não há dúvida que hoje já colhemos problemas de decisões passadas! Estamos numa época "auge" do câncer infantil, tumores e mais tumores. E você sabe por quê? Pode ser pura inovação!
Corticosteróides tópicos como Locoid pode causar defeitos congênitos em grávidas.

Mantendo bumbum (bebê) saudável:

Se existe problema em deixar o bumbum do pequeno sequinho, então use amido de milho, conhecido como ' maizena '. Muito natural!
É só colocar num potinho com uma esponjinha e passar logo após a limpeza das impurezas, a cada troca.

* Para limpar impurezas, nada melhor do que água com água, isso aí! Só água!
Sempre quando vou trocar meu filho, utilizo um paninho o qual molho metade e deixo a outra metade seca. Passo o molhado para limpar e depois seco com a outra parte. Quando ele faz cocô mole, precisando tirar o excesso do bumbum, utilizo os tissues que podem ser jogados dentro do vaso (flushable).
Prático, rápido e saudável!

Continue lendo...

14 de janeiro de 2009

Lavagem das Fraldas de Pano

por Franciely Tsuchiya

Como havia dito na postagem sobre fraldas de pano no Japão (aqui), vou falar sobre como fazer a lavagem das fraldas. Em uma maneira prática (super fácil) e barata, para a limpeza das fraldas.
O melhor método adotado pelas próprias japonesas!
Algo de acordo com o padrão de vida que temos aqui, com os produtos: fraldas, sabão, essas coisas...

Aqui no Japão, a fralda de pano mais usada é a de dobrar (comum). Mas se a mamãe tiver condições de comprar as fraldas "prontas" (porque são mais caras), aquelas que tem a parte de dentro da kaba já compacta, também poderá utilizar o mesmo método para a lavagem. O qual vou ensinar aqui.

Com a fralda compacta é preciso ter um pouco mais que a comum no estoque, porque elas demoram um pouco mais para secar. Em compensação são mais práticas, um pouquinho mais higiênicas e mais fácil de encontrar de algodão orgânico ecológico!

Mesmo utilizando as kabas que a fralda compacta fica por dentro dela, você pode utilizar o mesmo método!

O que precisa?

Eis aí considerada a melhor maneira! Fácil e super ecológica!
Não vai agredir a natureza, seu bolso, suas mãos e nem o bumbunzinho do seu filho!

Photobucket

Vamos falar um pouco do método que as japonesas usam e envolver tudo isto com os cuidados ecológicos e benefícios. Vou passar os sabões e branqueadores ecológicos mais usados e também facilitar o dia-a-dia da mamãe que escolheu usar fraldas de pano nos filhotes.
Com certeza você não vai se arrepender! *risos*

Photobucket

A bacia (ou baldinho) que tem separação é ótima para fazer algo do tipo: kaba de um lado e fraldas do outro, ou, fraldas comuns de um lado e fraldas compactas de outro...
Por aqui eu fui no Hakuen shop e comprei uma bacia com tampa e lacre (evita bebê mexer e derramar, é a mais recomendada) e paguei 210 yenes!

Ação:
Dentro da bacia você colocará um pouco de água, um pouco de sabão e depois mais água. Fazendo assim você fará a melhor mistura do sabão! Jogando o sabão em cima da água evita perdas, e jogando mais água em cima do sabão já colocado, ajuda a misturar da melhor maneira.
A melhor medida de água é até a metade da bacia, pois assim será a melhor medida para limpeza e sem desperdiçar água.
Todas as manhãs você fará uma nova "bacia" (trocará a água). Isto é somente uma base! Pode também ser toda noite... o que quero dizer, é que será uma por dia!
A melhor medida de sabão: líquido, 20 ml; em pó, mais ou menos uma colher de sopa beeem rasinha.
Tirou as fraldas do filhote, passa na água corrente e expreme, umas 3 vezes. E então mergulha na bacia. Quando trocar o bebê novamente, tira as fraldas da bacia (troca anterior), passa na água corrente e expreme, mais umas 3 vezes, torce bem e pendura. E aí mergulha a que acabou de tirar do bebê (depois das mais ou menos 3 lavadas antes, para retirar o xixi).
Isso quer dizer, que cada vez que trocar o bebê antes de mergulhar uma, você pedurará a que já está de molho. É só isto! É um ciclo!

* Usando o paper liner, é só descartá-lo quando tiver cocô, e a redinha que ficar um pouco suja de cocô é só limpar na água corrente e mergulhar na bacia!

Não terá que ser sacrificante, pois o método é super rápido e não exige esfregar, nem colocar na máquina e nem usar muito de produtos, água ou outro!
As fraldas tendem a ficar sempre muito limpas, sem cheiro nenhum (não fica cheirosa mas também não apresenta cheiro ruim) e nem desgastam fácil!

Se qualquer fralda precisar de uma branquiada daí que o branqueador entrará em ação! hehe

Com uma colherzinha de café (para 1 fralda, e água só até cobrir esta fralda) de branqueador no lugar do sabão, esta fralda ficará de molho até ficar pronta (vai vendo o quanto, geralmente até a próxima troca também) para o mesmo processo, enxaguar umas 3 vezes na água corrente e pendurar!
Não tem mais fácil! hehe

Photobucket

O branqueador da foto é um ecológico, de calcário, que diluído em água pode ser usado em pote ' spray ' para diversas limpezas, casa ou roupas. Para tirar as manchas de sangue dos abiosorventes também é ótimo!
É somente um exemplo da marca Chi no Shiyoshya, mas existem outros!

Agora sobre o sabão:
Não importa se você quer um somente para o bebê ou se você prefere um para a família toda. Com os sabões ecológicos você tem a segurança de ser delicado e seguro, portanto podem ser usados para lavar a roupa da família toda.
Se optar por ter um somente para o bebê, temos 2 marcas mais usadas e famosas, são elas: ARAU (da marca Saraya) e MIYOSHI
A opção em pó tem a vantagem da caixa de papelão (ver exemplo), super reciclável e desfaz rapidão no tempo.
Já a opção detergente (líquido -> ver exemplo) tem a vantagem da embalagem segura (usando o medidor com a embalagem fechada) e também, pagar mais barato pelo refil.

Eu usei os 2 sabões para lavar roupas de criança, o Arau e o Miyoshi (ambos de embalagem rosa).
O Arau tem o acréscimo do eucalipto (um cheiro que fica nas roupas), custa mais barato, vêm mais em quantidade, e é indicado também para lavar as roupas da mamãe. Porém ele não limpa bem as fraldas! A textura da fralda é de dureza nos tecidos! E quando usado em mesma quantidade que o sabão Miyoshi, ele não tira bem o cheiro do xixi, portanto precisa usar mais em quantidade!

Já o sabão da Miyoshi é minha preferência não vou negar! Ele custa um pouco mais, vem menos em quantidade. Mas em compensação tira bem o cheiro de tudo, deixa as fraldas macias e bem mais brancas!

Mas não posso deixar de dizer que existem muitos outros. É uma questão de pesquisa!
E qualquer ajuda que precisem, é somente pedir!

Deixarei por último, alguns blogs (entrada dos links), que são testemunhos de algumas mamães japonesas que incentivam a maneira ecológica de viver, falam sobre as fraldas de pano e até ensinam sobre a lavagem.
Algum problema com o idioma japonês, poderá utilizar o google (aqui) para atradução do link!

Blog Jack - Jack
Blog kigyoshihome
Blog Nozo - Kana

É isto, espero que tenham gostado!

Continue lendo...

13 de janeiro de 2009

Aborto espontâneo: melhor com ou sem curetagem?

por Thais Saito

Quem já passou por um aborto espontâneo sabe como é ruim. E sabe da dor que isso causa (física e psicológica).
É um sentimento de impotência, de incapacidade, de azar, de dor!

Mas saibam, acontece com 25% das mulheres.
E a maioria nem percebe, porque acontece antes da mulher descobrir que estava grávida.

A maior causa de abortos espontâneos é a gravidez de um feto inviável. Um feto que não teria chances de se desenvolver e sobreviver. A natureza é sábia e poupa nossos corpos e nossos corações.

Mas e agora, depois do aborto? O que fazer?

Em geral, a mulher tem um sangramento. Um sangramento forte, mas que pode ser igual à menstruação do segundo, terceiro dia.
E as cólicas, porque é um trabalho de parto, sim. O útero se contrai para a expulsão do feto, o colo se dilata, tudo acontece.
Em geral, quanto mais tardio o aborto, mais fortes são as cólicas.

E a mulher se desespera e corre para o pronto socorro! O que ela ganha? Uma curetagem.

Curetagem, falando de modo fácil, é a raspagem do útero, para tirar qualquer resto de gravidez dele. De vez em quando, ela se faz necessária. Por exemplo, quando a mãe não consegue expulsar tudo. Qualquer resto que fique no útero, pode causar uma infecção. Mas em um parto, é a MESMA coisa! Qualquer coisa que ficar lá, infecciona. Mas porque a gente não faz curetagem pós parto? Porque o normal é NÃO SOBRAR NADA.

Na grande maioria das vezes, quando uma mulher sofre um aborto, o corpo consegue fazer todo o trabalho sozinho. Pode demorar meia hora, pode demorar 2 semanas. Mas acontece. A gente só precisa de paciência.

Ah, mas poooooor que eu vou deixar de fazer a curetagem, se eu posso ter uma infecção e perder meu útero se não fizer?

Porque, mulher, a curetagem não é inofensiva!
Ela é feita sob anestesia e tem os riscos da anestesia, como "o risco de infecção, de hemorragia ou riscos inerentes à anestesia (geral ou local)", como disse o Site Médico.

E a curetagem em si também tem seus riscos, como "perfuração uterina ou de uma raspagem mais vigorosa que altera as estruturas normais do endométrio e faça com que a doente deixe de menstruar", também segundo o site médico.

Além disso, placenta prévia está MUITO relacionada à curetagem. Em geral, quem sofre uma curetagem deve permanecer 6 meses sem engravidar para evitar a placenta prévia.

O ideal seria: esperar o processo ocorrer. Depois de ocorrido, ir ao ginecologista usual e ver se há algum resto. SE houver e não houver sinais de que o corpo vá conseguir terminar esse serviço, aí, aceitar a curetagem.

Continue lendo...

10 de janeiro de 2009

Massagem Perineal

por Maíra Duarte

O períneo é uma das regiões do corpo muito importantes de ser cuidada durante a gestação. Um períneo com boa elasticidade e força se expande no momento da saída do bebê sem sofrer laceração. O uso de óleo no corpo, o consumo de ghi e azeite de boa qualidade são bons parceiros da massagem perineal em um bom pré-natal.

Aqueça em banho-maria um pouco de óleo de gergelim puro prensado a frio ou ghi.
Deite se com uma toalha velha em baixo do quadril para não correr o risco de manchar a cama ou os lençóis. Se você tiver um parceiro e ele quiser realizar a massagem é mais fácil, mas você mesma pode aplicá-la. Molhe a ponta dos dedos no óleo morno e passe em toda a região do períneo, que une o ânus à vagina, lubrificando-o. Com os dedos indicador e médio abra a musculatura da vulva e deslize os dedos ao longo dela. Vá aumentando a intensidade da abertura e sinta a musculatura sendo estendida. Nos primeiros dias faça uma massagem suave com intuito de hidratar. Após os 3 primeiros dias aumente a intensidade da abertura.
O movimento é tanto de deslizamento como de expansão no sentido das laterais do
corpo, como se você quisesse ampliar o diâmetro do espaço delimitado pelos músculos. Realize a massagem continuamente com bastante óleo, aumentando a intensidade aos poucos e de vagar. Não tenha, porém, medo de ser intensa. Lembre que a cabeça de um bebê vai passar por alí e a região deve estar bem preparada para estirar sem lacerar.

Observe a ilustração

Você pode massagear toda a musculatura dando ênfase à parte superior do oito de músculos e à parte de ligação com o ânus. Pratique todos os dias de 5 a 10 minutos nos últimos dois meses de gestação.

Óleo de gergelim
É muito popular na Índia e extremamente utilizado no Ayurveda devido ao seu benéfico efeito de controlar o elemento ar. Nutre principalmente os sistemas nervoso e ósseo (o que inclue unhas e cabelos) e alivia dores musculares.
Untuoso, pesado, doce, adstringente, amargo, quente e potencializador do elemento fogo. Devido ao seu aspecto untuoso aumenta a elasticidade da pele. É antioxidante e muito benéfico para ser usado em crianças em fase de crescimento e idosos porque fortalece o sistema ósseo. Pode ser misturado a óleos essenciais (para uso externo) ou medicado com ervas, direcionando o efeito do tratamento.

Ghi (manteiga clarificada)
O ghi é a gordura da manteiga, amplamente usado no Ayurveda. É resfriante, leve, penetrante e o melhor veículo para ervas. Equilibra o elemento fogo no corpo.
Nutre o sistema nervoso, a libido, o sistema imunológico, alivia queimaduras e hidrata pele ressecada. Pode ser usado interna e externamente. Em pequenas quantidades, no uso interno, aumenta a capacidade digestiva.

Usos do ghi na gravidez: é um dos principais alimentos, pois seu uso interno em pequenas quantidades (1 colher de sopa no almoço e 1 colher de chá à noite) fortalece o sistema digestivo, nutre o bebê que está se formando e lubrifica os
canais do corpo da mulher.

Continue lendo...

9 de janeiro de 2009

Registro de Nascimento no Japão

por Franciely Tsuchiya

Vou passar algumas informações sobre o registro de nascimento de estrangeiros no Japão e para legalizar a permanência da criança.

Registro de Nascimento
(Shusshoo Todoke)

Se o pai e a mãe forem brasileiros, é necessário fazer quatro processos para registrar o nascimento do filho e legalizar a permanência dele no Japão. Se só um dos pais for japonês, siga apenas o item 1 e 2.

1. Solicite o Certificado de Nascimento (Shusshoo Shoomeisho) ao médico ou a parteira e leve o documento à Prefeitura no prazo de 14 dias, a contar da data do nascimento da criança. Apresente também a Caderneta de Saúde Materno-Infantil (Boshi Kenkoo Techoo). A Prefeitura emitirá, então, o Certificado de Recebimento (Juri Shoomeishoo) do Registro de Nascimento. Em princípio, o registro deve ser solicitado pelos pais da criança.

2. Tire o passaporte do filho no Consulado do Brasil, apresentando o Registro de Nascimento emitido pela Prefeitura.

3. Dirija-se ao Departamento de Imigração do Japão (Nyuukoku Kanrikyoku) para solicitar o visto do filho no país, no prazo de 30 dias após o nascimento.

4. Efetue o Registro de Estrangeiro (Gaikokujin Tooroku) na Prefeitura, no prazo de 60 dias a partir da emissão do Certificado de Qualificação de Permanência (Zairyuu Shikaku Shoomeisho), ou em um prazo de 14 dias , contando a partir da obtenção do visto.

Reconhecimento de Paternidade
(Taiji Ninchi)

No Japão, se o pai for japonês e reconhecer a paternidade antes do nascimento do bebê, a criança poderá receber a nacionalidade japonesa, mesmo que os pais não sejam casados legalmente. O requerimento deve ser efetuado durante a gravidez.

Seguro de Saúde
(Kenkoo Hoken)

Basicamente, existem dois tipos: o do funcionário, oferecido pela empresa onde trabalha (Kenkoo Hoken), que faz parte do Sistema de Seguridade Social (Shakai Hoken), e o Seguro Nacional de Saúde (Kokumin Kenkoo Hoken), destinado aos autônomos. Para a inscrição no seguro de empregado informe-se na empresa. Os autônomos devem fazer inscrição no Seguro Nacional de Saúde na Prefeitura local. Após a inscrição eles receberão o Certificado de Saúde (Hokenshoo). O titular do seguro e seus dependentes pagam 30% do total das despesas médicas. Outra vantagem é receber subsídios para tratamento de alto valor (Koogaku Iryoohi no Joosei) para parto e puericultura.

Fonte: IPC Digital (texto ipcdigital.com)

Continue lendo...

7 de janeiro de 2009

Fraldas de Pano no Japão

por Franciely Tsuchiya

Depois que a gente fica sabendo que fralda de pano é o melhor, aparecem diversas dúvidas:
Como comprar? Como usar? E agora, estando no Japão?
Então aqui vão dicas e mais dicas, sobre as fraldas de pano no Japão.
É de babar!
Divirtam-se! hehe


Quando chegamos no Japão temos uma mania de criticar o sistema, e qual é primeira coisa que aprendemos? - Aw, aqui não tem! - Aw, aqui não usa, aqui não faz!
Que nada! Aqui tem tudo siiim! Tudo que nós mamães precisamos para dar uma excelente vida para nossos pequenos, e ainda cuidando da natureza e do bolso! hehe
Aos poucos vamos aprender juntas!

Aqui vão as diversas dicas sobre como comprar e usar as fraldas de pano no Japão, vamos por partes:

Como são as fraldas de pano aqui no Japão

O que é kaba para fralda de pano? -> Aqui
Parte de fora da fralda de pano!
Lindas kabas japonesas -> Aqui

Fralda comum -> Aqui
São compridas como conhecemos no Brasil mas com um corte melhor, não tem pontas!

Fralda de algodão orgânico -> Aqui
Rede para evitar contato com xixi -> Aqui
Fralda Compacta -> Aqui

O que é um paper liner para fraldas?
Um papel (aqui no Japão, ele tem a textura do papel que suga gordura, como por exemplo do exaustor da cozinha) para segurar o cocô. É em forma retangular, para colocar por cima de tudo (entre o bumbum e a fralda), para um eventual cocô. Se o bebê fizer cocô (mesmo muito mole) mas não xixi, é possível trocar somente o 'paper liner'.
Enquanto o bebê somente fizer xixi, o 'paper liner' não precisa ser descartado, é lavável (a mão, expremer nos dedos e pendurar, rapidinho tá seco) e também não desfaz facilmente quando bem cuidado. Uma economia e tanto!
Quando o bebê faz cocô é melhor descartá-lo, por causa das bactérias e também da economia de água. Não se esqueça de tirar o cocô no vaso sanitário primeiro, depois poderá embrulhar em um papel tissue e jogar no lixinho do banheiro mesmo, não tende a cheirar e nem tomar muito espaço no lixinho. É uma boa idéia!
Um exemplo de 'paper liner' para fraldas, barato e muito bom -> Aqui
São 220 papers, dura muito!

Como se diz fralda?
Omutsu - おむつ 

Como se diz fralda de pano?
Nuno Omutsu - 布おむつ

Como se diz fralda de pano de algodão orgânico?
Oganikku Coton no Nuno Omutsu - オーガニックコットンの布おむつ

Kaba - カバー
Redinha - Omutsu Netto - おむつネット
Paper liner para fraldas - Sofu Raina - ソフライナー
Tissue (papel para limpar o bumbum do nenem)- おしりナップ - Oshiri nappu

Photobucket


Por que preferir uma fralda de pano de algodão orgânico a uma fralda de pano de algodão comum?
O algodão orgânico é o algodão que é crescido puramente em linhas naturais. A colheita é crescida de utilização inseticidas e fertilizantes mínimos, se existir. Os fertilizantes e inseticidas são poucos e mais naturais, e não são prejudiciais ao ambiente. As ferramentas e os vários processos usados por fazendeiros orgânicos são tais que não causam nenhum efeito adverso no ambiente. Além da não utilização animal.
Na verdade já é possível (até mesmo no Japão) encontrar tudo de algodão orgânico: roupas de cama, toalhas, roupas de recém-nascidos até adultos e ainda outros diversos.
O algodão orgânico também é de mais fácil manuseio, muito mais macio, natural e se desfaz muito mais rapidamente na reciclagem, além de chamar muito mais atenção pela sua beleza.

Por quê dar preferências para produtos 'flushable' a produtos comuns não 'flushable'?
Flushable em inglês quer dizer descargável no sanitário, ou seja, pode jogar dentro do vaso!
Os produtos que podem ser jogados no vaso sanitário, são produtos que se desfazem, não são de tecidos (nonwovens) e além de não acumular lixo, são as opções para um planeta mais saudável! E um planeta saudável é uma sociedade saudável! É o que estamos precisando, já que estamos ficando sem água. E tratar todo o lixo que produzimos está se tornando um problema e inclusive matando muita gente!

No Japão temos uma opção para os tissues 'flushable' para o bumbum de nossos filhos!
Um exemplo -> Aqui
Este aí da Pigeon, por exemplo, atrás da embalagem tem o selo PSF 'Pigeon Super Flushable'. Muito bacana!
Algumas empresas pretendem lançar ainda, o paper liner para fraldas e até mesmo fraldas 'Flushables' (como a gDiapers nos Estados Unidos). Vamos aguardar! É preciso estar de olho sempre!

Como é a montagem da fralda de pano?
Existem muitas opções mas algumas, muito boas, são:
1. Kaba comum + 2 fraldas comuns + redinha + paper liner
2. Kaba comum + 1 fralda comum + 1 fralda compacta dobrada ou não + redinha + paper liner

Tem uma pequena diferença nas dobradura da fralda, conforme o mês e idade do pequeno. E ainda, se faz muito xixi durante a noite (?)
3. Kaba comum + 3 fraldas comuns + redinha + paper liner
4. Kaba comum + 1 ou 2 fraldas comuns + 1 ou 2 fraldas compactas + redinha + paper liner

* A segunda fralda comum ou compacta seria o reforço para o xixi (ver exemplo)

Tem os modelos criatividade:
5. Utilizar kaba de fralda compacta juntamente com fralda comum. (ver exemplo)

Tem as opções prontas:
6. Reforço na fralda compacta. (ver exemplo)
7. Kaba com compacta acrescentando redinha e paper liner (ver exemplo)

Quando o bebê ainda é pequeno, o cocô é muito mole e o xixi ainda é em pouca quantidade, portanto precisa ser reforçado atrás e não precisa de muita fralda na frente, pode até mesmo usar somente a fralda compacta.
(ver exemplo)

*A redinha para evitar o bebê ficar em contato com o xixi, e o paper liner para um eventual cocô, é sempre recomendado!

Já o bebê grande, não precisa de muita fralda atrás, pois o cocô costuma ser durinho mas em compensação o xixi é em bastante quantidade, precisando reforçar ainda mais a quantidade de fralda durante a noite (dependendo do bebê, acrescentando 1 ou mais fraldas na frente)!

No caso das fraldas não comuns (são aquelas que você já compra pronta, não precisa dobradura, e muitas vezes são de algodão orgânico). Se você mora em cidade grande é bem fácil achar, mas se não é tão privilegiada assim, poderá fazer pedidos pela net, no final do pedido já terá o valor de sua compra (sempre com frete incluso, algumas grandes compras, como acima de 5 mil yenes, nem mesmo cobra o frete). O pedido tende a chegar no máximo 1 semana (isto demorando muito). A escolha do pagamento poderá ser desde cartão de crédito, até pagar no kombini (loja de conveniência) depois que já recebeu o produto! Poderá fazer as traduções no google (aqui) do passo-a-passo de sua compra e não terá erro!

Conheça uma fralda totalmente ecológica, sem botões ou outros -> Aqui
Fraldas Made in Earth (que são super ecológicas, por isto feita da terra) -
メイド・イン・アース
-
Meido in Asu - -> Aqui
Outra opção ecológica, fraldas de pano feitas de bambu -> Aqui

Fraldas prontas -> Aqui
Esta opção é para reutilização da kaba. Mas a parte de dentro já está pronta (é só abotoar na kaba)!

Fralda pronta 2 -> Aqui
Opção que precisa trocar a kaba toda vez!
Pois a fralda compacta vai dentro da kaba. Mas a mamãe também poderá colocar a fralda compacta fora da kaba caso queira reutilizar a kaba, é uma opção!

Ideal conforme o xixi:
A dobradura da fralda e o jeitinho de ajeitar seu pequeno, claro que é algo que cabe primeiramente a você fazer, e depois, a escolha que fez na compra, porque com cada kaba é tudo diferente, acredite.
Só quero deixar bem claro que não tem sofrimento com a fralda de pano, só existe uma adaptação para fazer.
Estou deixando tudo "mastigadinho" aqui porque sei que vai ajudar muitas mamães em suas devidas dúvidas, e também porque é uma questão de pesquisa de experiências.
Quero também deixar aqui um pouco de um tudo, no Japão, para poder trazer às mamães, a escolha de nunca mais usar descartáveis, sendo assim, a mamãe terá diversas opções para tentar, não terá erro!
Aqui em casa eu tenho bastante opções, e consegui perceber que cada uma serve para uma ocasião. Existe uma opção que só uso para sair de casa e nunca passei apuros, mas estou sempre aperfeiçoando e aprendendo. É isto que espero das mamães!

Quando o bebê é pequeno não há necessidade de muito, uma fralda apenas, para alguns bebês, já é o suficiente e segura bem!
Mas quero que saibam que estou passando o ideal para uma troca de a cada 3 ou 4 horas, sem assaduras, e a criança podendo ficar super a vontade e sem excessos!

O ideal é utilizar bem a cada fralda! Uma fralda que atrás está preparada para qualquer cocô, na frente preparada para muito xixi, quem sabe podendo aproveitar a mesma kaba depois da troca, e ainda não deixando muito excesso, para o pequeno poder se locomover bem e ficar bonito.

Dicas por idade:

Desenho -> Aqui

* Recém-nascido
Kaba & Dobradura (ver exemplos: 1 e 2)
(A kaba não tende a abrir facilmente então não há problema neste estilo (beruto - cinto). A dobradura pode ser simples).

* Depois dos 6 meses
Kaba & Dobradura (ver exemplo)
(A kaba já não segura muito bem se for estilo cinto, então uma neste modelo seria a mais simples segurando bem, mas as kabas de algodão orgânico normalmente usam bons médotos (como vários botões para ajustes ou velcro seguro) para todas as idades. A dobradura simples já não funciona muito bem, então precisa de reforço).

Nas próximas postagens colocarei sobre a lavagem (um super esquema japonês, hehe) e assaduras (como não ter nunca e para quem tem o problema).

Por último, deixo aqui uma opção de kaba para o verão (ver)

Uma coisa é certa: Com fralda de pano tudo muda!
A consciência de um mundo melhor! A economia que é da graaande (hehe)! E ainda a valorização interpessoal!

Bom, acho que é isto!!
E... estamos abertas para quaisquer dúvidas!

Fran

Continue lendo...