2 de junho de 2009

Filhos do Coração

Não foi em meu ventre que meus filhos se formaram, não foi em meu ventre que os senti mexer, mas em meus braços, no meu colo.

Não ficamos unidos pelo cordão umbilical, mas pelo calor do amor, das batidas do coração, estamos ligados pela adoção, pelo sentimento mais puro, pela benção de Deus, nos unimos pelo destino.

Com os dedos de minha mãos toquei no rostinho de cada um, com ternura, acariciei os cabelos, tirando os medos, rejeição, chamando-os de meu filho, minha filha, e ouvindo mais tarde mamãe.

Um frio na barriga, dor, medo, angústia, ansiedade, choro, alegria, prazer, sentimentos de mãe à espera deles em meus braços.

Dois vieram já grandinhos, a outra saindo da maternidade para os meus braços. Eu pari meus lindos filhos sim! Com toda a intensidade de minha alma que ansiosamente os esperava, a força desse amor tornou-se o vínculo forte de união.

É inexplicável sentir o olhar do bebê direcionado ao meu, torna o sentimento particular e único, especial. Contagia a minha alma, estremece o meu ser.

Cada dia é uma novidade nesse universo que é ser mãe. Ao dar mama, a neném chora se não a estou olhando. Gosta de olhar em meus olhos, reclama pedindo atenção e isso é mágico!

Obrigada meu Deus por poder PARIR filhos da alma, do coração, pelas noites em claro, por escutar o choro da vida, pela satisfação de ver as roupinhas no varal, de os pôr para dormir, de educar os maiores, contar-lhes histórias, cuidar de sua alimentação, de ouvir os muitos “eu te amo mamãe “.

Como é bom parir filhos do AMOR, da vida para a vida.

Deixo aqui um poema de Fernanda Campos Scialla:
A natureza me fez mãe.
A vida me trouxe filhos.
Filhos e filhas do meu coração.
Filhos de Deus, querubins em pleno vôo matinal pela existência.
Corcéis da noite domando a escuridão.
Flores perfumadas, coloridas e vivas em sintonia com o sol no jardim da esperança.
Corações em vigília sentindo tudo aquilo que seus olhos, janelas da inocência, não podem ver.
Castelos construídos nas praias de seus pensamentos.
Olhos...diamantes multicoloridos que tão bem ornam com o sorriso, mas que por tantas vezes sangram o milagre da vida, por muitos incompreendido.
Mãos, toques divinais, suaves e tão pequenas mas capazes de afagar toda minha essência!
Braços alados, envolvendo e elevando minha alma.
Sorrisos tímidos, testemunho de Deus, trazendo a verdade que clama por nós!
Pedacinhos de gente concebendo o meu ser.
Não filhos do meu útero, mas filhos da minha vida.


Luzia Barbosa é casada com Claudionor e mora no Brasil. É mãe de Pericles, Vanessa e Sophia Luz. É educadora, ensina crochê e faz trabalho voluntário também, além de ser uma cozinheira de mão cheia!

7 comentários:

Aika disse...

Parabens, Luzia!!!Precisamos de mais mulheres como voce nesse mundo!Como admiro esse seu gesto e tenho certeza que seus filhos sao 3 presentes de Deus em sua vida,o amor esta alem de lacos de sangue!!!Beijos!
Kelly.

Minhas memórias disse...

Obrigada Rosana, amei, fiquei emocionada com a homenagem no materna japão. Obrigada pelo comentário Kelly, realmente o amor para mim esta alem dos laços de sangue. amo intensamente. Beijos

caicafpetipiquiri disse...

Que blog legal
Você passou emoção Lu, lindo.
Beijos Káta

escolaceramica disse...

Oi prof sempre vejo seu blog e vi esse recadinho lá, fiquei curiosa e vim ver rsrsrsrs,chique né.Olha continue amando muito. Estamos saudades, beijos da amiga Ma e Vani.

Simone disse...

Nossa!Q lindo!!!!parabéns Luzia,emocionante!!!!

Andrea Marcondes disse...

Achei lindo o seu relato, tenho um blog sobre Adoção e tomei a liberdade de colocar um link da sua página, td bem?
Dá um espiada lá depois rsrsrs
Felicidades..bjos

http://adotante.blogspot.com/

Rosana Oshiro disse...

Andrea, obrigada pela visita!
Volte sempre!! =))

beijo

Postar um comentário

Obrigada por contribuir com seu comentário!
Todos os comentários são lidos e moderados previamente.
Se você tiver alguma pergunta pertinente ao tema do post é mais rápido e fácil ligar para 080-51427945(Japão).
Estamos dispostas a ajudar no que for preciso!