23 de março de 2009

Intervenções no parto normal hospitalar

Semana passada, discutimos no nosso grupo virtual de mães, as necessidades de intervenção e o que cada uma achou da experiência de parir "com ou sem" elas.
Todas as que passaram por intervenções acharam muito ruim e traumatizante até!

Este post é para complementar aquele que falei da "ligação" entre o ato de parir e o ato sexual.

Há pouco tempo atrás, lugar de nascer era em casa. Com a tecnologia avançando e a quantidade de hospitais aumentando, o parto foi transferido para os hospitais e o processo natural, cada vez mais passou a receber intervenções para "agilizar e facilitar" o trabalho dos médicos, mas a qualidade de atendimento ao parto só piorou.

Todo processo fisiológico (comer, fazer sexo, urinar, defecar, parir) está, em nós, pronto para ser realizado de forma natural, e quando tentamos "modificá-lo" por algum motivo, isso consequentemente, vai se tornar incomodo, porque não faz parte da nossa natureza.

Vejam esse video, que é muito engraçado e faz todo sentido:



Além da posição de parir, aqui eles falam dos "detalhes". Que tudo precisa ser do jeito que eles (os médicos) acham melhor.

E ai, vcs acham que deve ser assim?
Eu tenho certeza que não!!!

Por isso vivo a dizer para as mulheres: Se informem! Exijam respeito no seu momento! Busquem profissionais que as respeitem e respeitem suas vontades, porque tudo é questionável e na maioria das vezes totalmente desnecessário. Vamos aprender mais sobre o parto normal hospitalar e as intervenções?


Tricotomia:
Raspagem dos pelos pubianos. Aqui no Japão eu não ouvi dizer que seja necessário, mas no Brasil eles querem fazer como rotina.
Agora imagine: você com pontos lá embaixo (por episio ou laceração) pêlos crescendo, coçando e uns "pontinhos" doloridos junto? ui ui ui... Totalmente desnecessário. Uma aparada no comprimento é mais do que suficiente ok? Nenhum médico pode te obrigar a fazer, mas é muito bom colocar isso no seu plano de parto e conversar com seu médico antes também.

Lavagem intestinal (Enema ou feet enema): A lavagem intestinal é desconfortável e desnecessária se você teve funcionamento normal do intestino nas últimas 24h. No entanto, se você estiver constipada, você poderá desejar uma “aplicação”, mas não é imprescindivel. No geral, no intestino faz o trabalho sozinho, preparando-se para o parto, e independente de lavagem ou não, a mulher pode defeccar na hora do expulsivo. Isso é totalmente normal, afinal é da nossa fisiologia, não?

Ocitocina (ou sorinho que falam no Brasil): Hormonio sintético que faz as contrações durarem mais tempo e serem muito mais doloridas, fazendo com que a mulher entre no ciclo: Dor absurda> causa medo+tensão> a mulher "trava"> não dilata> tem cesarea por falta de dilatação. Blah!
Real necessidade: Depois de mais de quatro horas sem evoluir no TP é possivel utilizar um pouco de ocitocina (que não precisa ser necessariamente injetada na veia, pode ser inalada tambem) se a mulher estiver cansada e sem contrações eficientes. Mas tudo deve ser discutido com ela, e apresentado os prós e contras.

Comprimidos para indução: Já li irelatos de pessoas que utilizaram e disseram foi pior do que a indução com ocitocina. Desnecessário tanto quanto a ocitocina.

Episiotomia: é o corte feito entre a vagina e o ânus para facilitar...o trabalho dos médicos!!! Sim é isso mesmo!!! Porque no geral, quando se espera com calma o bebê nascer no seu tempo e com a vontade natural da mãe empurrá-lo com os "puxos" dificilmente ocorrem lacerações.
Real necessidade: Pode ser necessário se a mãe estiver horas no expulsivo sem conseguir parir, estiver muito cansada, ou se fez analgesia e não consegue fazer a força adequadamente para expulsar o bebê, mas torno a dizer que é algo que deve ser discutido e analisado sobre prós e contras com seu médico.
Se quiserem ler mais sobre episio, cliquem na tag Episiotomia.

Cardiotoco (cinta amarrada na barriga para ver os batimentos do bebê): É usada para verificar os batimentos do bebê durante o TP. Não precisa ser constante, mas muitos médicos utilizam-na durante todo o TP e o pior, com a mãe na posição deitada, impedindo-a de se movimentar para o parto, causando desconforto e levando-a para o ciclo: Dor aguda> causa medo+tensão> a mulher "trava"> não dilata> tem cesarea por falta de dilatação ou um parto "sofrido" =((
Real necessidade: o monitoramento pode ser feito por aquele aparelho de escuta do coração do bebê, sem precisar prender a mãe em uma cama. Ou ainda, pode ser feito de forma intermitente, mas nunca de forma constante porque é totalmente desnecessário.

Exame de toque:: os médicos utilizam para ver a dilatação do colo do utero.
No Brasil eu fiz depois das 40 semanas, mas aqui no Japão eles fazem a partir da 37ª semana. Absurdo! Estupro na minha opinião!
Nosso corpo apresenta "sinais" de dilatação com a "perda" do tampão, cólicas ou contrações. Portanto, exame de toque, antes do TP é desnecessário. Se não quiserem fazer, neguem mesmo! Pouquissimas mulheres tem dilatação antes do TP, a dilatação só acontece mesmo depois que a mulher entra em trabalho de parto, então, para que fazer antes?
Durante o TP, os sinais de intensidade de contrações e duração indicam a dilatação, não é preciso fazer "toque". Se você quiser saber como está a dilatação, pode pedir ao seu médico. Há profissionais que conseguem fazer o exame de forma quase indolor. Por isso, busquem bons profissionais!

Forceps: É utilizado quando a mãe após horas de expulsivo, não consegue por o bebê para fora e este fica no canal do parto sem conseguir sair. Mas são casos raros de real necessidade. Portanto, é preciso ter bons profissionais em que se possa confiar de que um forceps foi mesmo necessário e não "despreparo" e "medo" do médico apressado.

Manobra de Kristeller: É aquela manobra em que um enfermeiro ou anestesista (geralmente é o maior da equipe) sobe em cima da mãe e empurra o bebê por cima da barriga dela. Já está proibido em alguns paises. Outro absurdo!
Usado por falta de preparo e paciência dos profissionais que atendem partos no Brasil e no Japão também.
Essa manobra pode causar até morte materna ou fetal. Não aceitem peloamordedeus!

Anestesia ou Analgesia: É a aplicação de um medicamento que faz com que a mulher não sinta a dor das contrações e consiga relaxar.
Existem pontos positivos e negativos. Vejamos:
- a mulher que está a muitos dias sem dormir, sem comer, pode conseguir descansar por algumas horas para depois continuar o processo do TP mais tranquilamente;
- cada uma tem um limite para a dor, e se a mulher, depois de passar por todo tipo de ajuda não farmacologica, achar que precisa mesmo, deve combinar com o médico como deve ser feita. Para que o TP não deixe de evoluir as vezes uma pequena dose de medicamento já ajuda bastante;
- efeitos colaterais podem afetar a mãe e o bebê;
- o TP pode estacionar, pode ser preciso ocitocina sintética, episiotomia, forceps e até ser necessário uma cesarea.

Rompimento artificial da bolsa: O líquido amniótico contido na bolsa tem um efeito de proteção, equalizando a pressão sobre o bebê, o que resulta em menos pressão na cabeça. O rompimento artificial da membrana aumenta as chances de infecção e cria um limite de tempo para o parto. Só deve ser feito com o consentimento da mãe e depois de esclarecido prós e contras.

Bem, tentei resumir ao máximo esse post, mas ficou enoooorme...huahuahuauhahuahua
Tudo isso para que as mulheres entendam que todas essas intervenções são discutivéis e que é preciso ter um bom profissional te acompanhando para não cair na conversa dos médicos, ok?

6 comentários:

Aika disse...

Ro,foi muito bem explicado,numa linguagem simples!Espero q as futuras mamaes leiam isso e busquem o q eh certo,o que for melhor pra elas e pro bebe.Fico tao triste e decepcionada quando vejo alguma amiga (o que sao TODAS)parir de qualquer jeito,aceitando tudo e depois que esta toda(perdao da palavra)fudi...a vir reclamando do parto e dizer:filho?Nunca mais!!Poxa,a pessoa nao se informa,nao tem interesse nenhum em tentar fazer as coisas de uma forma que seja mais facil e prazerosa e depois vem reclamar??Fala serio!
Kelly.

Pitty disse...

Realmente muito bom esse post, e o vídeo de uma forma engraçada mas que se consegue entender que assim como urinar, parir é super normal.. imagino que daqui uns anos não poderemos mais comer e preparar nossa comida em casa, teremos que ir até um lugar específico, tdo mundo vai achar coisa de louco vc se alimentar em casa, vai ser algo sujo, nojento, sem cabimento kkkk
Pretendo ter mais filhos e farei tdo diferente, qdo a gente busca informação, nossa visão muda, nada fica mais automático, conseguimos parar para refletir, conseguimos sentir a nossa vontade e já não mais fazer somente pq a maioria faz...

Carol Flor disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Andréa disse...

poxa eu ja tive dois partos normais e nao sabia que tinha sido tao violentada,como eu fui nos partos q tive ..porq nao sabiia nem o que eles estavam fazendo comigo...mas graças as informações q hj temos..podemos nos defender.\
obrigado
andréa.

mlena kaju disse...

Meu parto foi forceps tive hemorragia foi preciso fazer 2 curetagem foi uma experiencia traumatica a dor que senti e indescritivel, tive complicacaoes e hj 1 ano e 3 meses depois vou fazer a histerectomia (21/06/2012) pois tive prolapso uterino-vaginal(utero saindo pra fora).O shimin bion onde foi realizado meu parto nao quis nem saber disseram q tdo q estava sentindo depois do parto nao era nada q ia passar foi super dificil conseguir um medico q me atendesse sem o encaminhamento do shimin bion onde meu parto foi realizado. Estou gastando muito com tdo isso e pretendo pedir reembolso ao shimin bion mas nao sei nem por onde comecar ja que aqui e quase que impossivel provar erro ou negligencia medica.

taisa tobita disse...

Será que existe parto normal com anestesia no japão?

Postar um comentário

Obrigada por contribuir com seu comentário!
Todos os comentários são lidos e moderados previamente.
Se você tiver alguma pergunta pertinente ao tema do post é mais rápido e fácil ligar para 080-51427945(Japão).
Estamos dispostas a ajudar no que for preciso!