13 de janeiro de 2009

Aborto espontâneo: melhor com ou sem curetagem?

por Thais Saito

Quem já passou por um aborto espontâneo sabe como é ruim. E sabe da dor que isso causa (física e psicológica).
É um sentimento de impotência, de incapacidade, de azar, de dor!

Mas saibam, acontece com 25% das mulheres.
E a maioria nem percebe, porque acontece antes da mulher descobrir que estava grávida.

A maior causa de abortos espontâneos é a gravidez de um feto inviável. Um feto que não teria chances de se desenvolver e sobreviver. A natureza é sábia e poupa nossos corpos e nossos corações.

Mas e agora, depois do aborto? O que fazer?

Em geral, a mulher tem um sangramento. Um sangramento forte, mas que pode ser igual à menstruação do segundo, terceiro dia.
E as cólicas, porque é um trabalho de parto, sim. O útero se contrai para a expulsão do feto, o colo se dilata, tudo acontece.
Em geral, quanto mais tardio o aborto, mais fortes são as cólicas.

E a mulher se desespera e corre para o pronto socorro! O que ela ganha? Uma curetagem.

Curetagem, falando de modo fácil, é a raspagem do útero, para tirar qualquer resto de gravidez dele. De vez em quando, ela se faz necessária. Por exemplo, quando a mãe não consegue expulsar tudo. Qualquer resto que fique no útero, pode causar uma infecção. Mas em um parto, é a MESMA coisa! Qualquer coisa que ficar lá, infecciona. Mas porque a gente não faz curetagem pós parto? Porque o normal é NÃO SOBRAR NADA.

Na grande maioria das vezes, quando uma mulher sofre um aborto, o corpo consegue fazer todo o trabalho sozinho. Pode demorar meia hora, pode demorar 2 semanas. Mas acontece. A gente só precisa de paciência.

Ah, mas poooooor que eu vou deixar de fazer a curetagem, se eu posso ter uma infecção e perder meu útero se não fizer?

Porque, mulher, a curetagem não é inofensiva!
Ela é feita sob anestesia e tem os riscos da anestesia, como "o risco de infecção, de hemorragia ou riscos inerentes à anestesia (geral ou local)", como disse o Site Médico.

E a curetagem em si também tem seus riscos, como "perfuração uterina ou de uma raspagem mais vigorosa que altera as estruturas normais do endométrio e faça com que a doente deixe de menstruar", também segundo o site médico.

Além disso, placenta prévia está MUITO relacionada à curetagem. Em geral, quem sofre uma curetagem deve permanecer 6 meses sem engravidar para evitar a placenta prévia.

O ideal seria: esperar o processo ocorrer. Depois de ocorrido, ir ao ginecologista usual e ver se há algum resto. SE houver e não houver sinais de que o corpo vá conseguir terminar esse serviço, aí, aceitar a curetagem.

1 comentários:

Nay Katy disse...

Acabei de perder meu tão desejado bebê😭 com um mes de gestação preciso fazer coretagem sim ou não?

Postar um comentário

Obrigada por contribuir com seu comentário!
Todos os comentários são lidos e moderados previamente.
Se você tiver alguma pergunta pertinente ao tema do post é mais rápido e fácil ligar para 080-51427945(Japão).
Estamos dispostas a ajudar no que for preciso!