23 de janeiro de 2009

Marisa Tiyoko Guedes - Aichi



Pode se dizer que tudo começou no final de 2007, nós estavamos com planos de ir ao Brasil em dezembro e já estava tudo certo, até a passagem de ida e volta ja estava marcada e nos nossos planos na volta ja iriamos encomendar o nosso filho, mas nem tudo acontece como planejamos e deu tudo errado não deu para ir ao Brasil, e resolvemos não desistir dos planos para nosso filho!

Em novembro parei de tomar remedio e em março engravidei, não esperava que fosse engravidar tão rapido porque tomava remedio a muitos anos, todo mundo dizia que demorava +ou- 1 ano, mas ele veio e ficamos muito felizes por isso, começamos a arrumar o quarto dele e fazer todos aqueles planos que os pais fazem para seus filhos e curtimos muito cada faze da gravidez.

Minha gravidez foi super tranquila, não tive enjoo só um calor insuportavel, e no final da gravidez um pouco de caimbras, meu apetite não aumentou muito, e também não podia comer muito porque engravidei acima do peso(estava com 86 quilos) e o medico pediu para controlar o peso, ele disse que eu só poderia engordar 6 quilos, eu achei aquilo um absurdo, mas fiz dieta e no começo da gravidez até emagraci um pouco, mas no final engordei 11 quilos ao todo.

Sempre pensei que ia ter meu filho de parto normal, porque tenho duas irmãs que engordaram 20 quilos em cada gravidez delas(são 4 sobrinhos) e todas tiveram de parto normal, já conhecia o medico e pensava que ele faria de tudo para eu poder ter meu bebe normal tambem, sabia que ele pegaria no pé por causa do peso, mas já tinha em mente que não ia deixar ele me estressar com esse assunto, como tinha em mente tambem que não iria abusar engordando muito para poder ter uma gravidez tranquila.

Até o setimo mes tudo ia bem, mas aí ele começou a pegar muito no pé por causa do peso me pedindo para emagrecer, não sei como ele queria que eu perdesse peso no final da gravidez... Mas eu continuava tentando pelo menos não engordar, quando estava com 35 semanas ele marcou uma reunião comigo e com meu marido para dali duas semanas para conversarmos sobre meu peso e uma possivel cesarea, quando ele marcou essa reunião eu fiquei tão triste pensando na cesarea que chorei o dia inteiro, meu marido tentou me acalmar mas era só eu lembrar da reunião que eu começava a chorar de novo, antes da reunião tinha mais uma consulta de pré natal e perguntei para o medico se era certeza de ser cesarea, ele me disse que ainda não que ele iria analisar o meu caso ainda, fiquei cheia de esperança.

Na reunião ele me deixou no chão, me falou que eu estava acima do peso seguro para um parto normal, que eles não tinham como garantir um parto seguro se fosse normal, que minha pressão estava dando sinais de estar aumentando e era melhor e mais seguro tanto para mim como para o bebe a cesarea com anestesia geral porque pelo meu peso a raqui não pegaria, fiquei muito, mas muito chateada mesmo mas acabei concordando, meu marido tambem achou melhor assim, nos dois conversando melhor depois chegamos a conclusão que o problema no meu caso era mais o despreparo da clinica e do medico para o meu parto, no caso um parto de uma pessoa acima do peso... Mas tambem enchi ele de perguntas se seria seguro para mim e para o bebe, porque ele marcou a cesarea para a semana seguinte e eu estaria com 38 semanas e ele disse que não teria problema nenhum!

Devo dizer tambem que apesar de toda a tristeza e apreensão pela cesarea eu estava muito feliz e satisfeita com minha gravidez e por meu filho estar chegando em minha vida, não deixei de curtir minha gravidez em nenhum momento, nunca fiquei triste com minha gravidez e sim com o medico e a cesarea.

Bom aí para nós começou a contagem regressiva para a chegada do Felipe, tinha tanta coisa para terminar de arrumar em casa que o tempo passou voando e quando percebi ja estava internada esperando a hora do parto, eu internei no dia 17(segunda-feira) para fazer os exames para a cesarea que seria no dia seguinte(18 terça-feira). Meu marido tinha dito que iria trabalhar na segunda e folgaria a partir de terça, mas de domingo para segunda não conseguimos dormir direito a noite por causa da ansiedade, e ele resolveu ficar comigo na segunda tambem. Fiz todos os exames e tentei me manter calma, mas a cesarea me preoculpava muito, tinha muito medo dela, era minha primeira vez de muitas coisas... Primeira gravidez, primeira internação, primeira vez que ficava no soro (tenho pavor de agulha, sempre que vou tirar sangue não posso olhar se não passo mal, rsrs), primeira vez que ia entrar na faca (nunca levei ponto), primeira vez que ficava apagadona, nunca nem desmaiei rsrs...

No dia 18 desde manhã a ansiedade ia aumentando as vezes eu não aguentava e lembrava da cesarea e chorava, não sei se de medo ou de tristeza, mas lembrava que logo estaria com meu filho nos braços e mandava a tristeza e o medo embora, minha cesarea estava marcada para as 2 horas, mas a enfermeira disse que se entrasse algum parto de emergencia poderia atrasar, entrei para a sala de cirurgia as 4 horas, quando a enfermeira veio me buscar comecei a chorar porque estava com medo e meu marido não poderia estar ao meu lado naquele momento, quando deitei na maca pronta para a cesarea antes de apagar por causa da anestesia me bateu um panico eu queria sair correndo dali, mas não deu tempo de pensar em mais nada logo apagei.

Quando acordei 2 horas depois, meu primeiro pensamento foi de gritar que não queria mais a cesarea, aí senti a dor na barriga e lembrei que não dava mais para voltar atrás, e logo pensei no meu filho... Estavam me levando para o quarto e escutei a voz do meu marido falando que estava tudo bem, que ja tinha visto nosso filho e ele era lindo!!! Uma hora depois levaram ele para eu ver, ainda estava meio grogue mas mesmo assim quis amamentar, foi a melhor sensação da minha vida! Naquele momento esqueci de tudo e de todos(o quarto estava cheio de gente) e só pensava no meu filho ali comigo! Ele ainda não ficou comigo porque eu estava sendo monitorada para ver se não teria nenhum problema decorrente da cesarea, fiquei sendo monitorada até meia noite depois fiquei mais um dia só no soro e sonda, no primeiro dia senti muita dor, mas depois foi diminuindo e no quarto dia não sentia mais dor, só um incomodo pequeno, eu fazia de tudo para que a dor passasse logo para poder cuidar do meu filho bem, era só nele que eu pensava.

Quando olhava para o rostinho do meu filho esquecia de toda a dor e so lembrava do amor que sentia por aquela pessoinha tão pequena que ja preenchia toda a minha vida em todos os sentidos! Apesar de toda a tristeza do parto não ter sido como eu queria a chegada do meu filho me fez esquecer de tudo, a cesarea não tinha mais importancia, o que importava era eu e meu filho juntos!

A amamentação foi uma maravilha, eu tinha muito leite e depois de umas cinco tentativas ele pegou bem o peito, só tinha um pouco de dificuldade quando o peito enchia muito, mas depois foi tudo muito bem! As enfermeiras queriam que eu desse leite em pó para meu filho, no começo dei de vez enquando depois falava que dava e só dava o peito, Graças a Deus ele mamava muito e muito bem, nesse ponto nos entendemos muito bem!



Hoje vejo que a maternidade é a coisa mais maravilhosa do mundo!!! Como eu vivi todos esses anos sem meu filho? Não sei... só sei que não sei mais viver sem ele...

1 comentários:

Vanessa disse...

Nossa Marisa me emocionei com seu depoimento ! estou tentando engravidar e me vi(em um futuro nao distante) nas mesmas condicoes que vc , estou acima do peso tb , moro no Japao a 6 anos
Parabens pelo bebe ...
E ao blog

Vanessa

Postar um comentário

Obrigada por contribuir com seu comentário!
Todos os comentários são lidos e moderados previamente.
Se você tiver alguma pergunta pertinente ao tema do post é mais rápido e fácil ligar para 080-51427945(Japão).
Estamos dispostas a ajudar no que for preciso!